Então você acha que economizar o saquinho do supermercado é relevante? Dá para fazer muito mais pelo meio ambiente!

Por Ary Bon

Meu irmão trabalha na Prefeitura da Cidade de São Paulo.
O departamento dele cuida do controle do transporte tercerizado do lixo.

Todo o lixo da cidade vai para dois tipos de destinação: orgânicos vão para o aterro sanitário e inertes vão separados para uso como entulho.
A prefeitura de São Paulo regulamenta que o lixo doméstico seja acondicionado em sacos plásticos, para viabilidade do manuseio, coletya, manutenção das viaturas, logística geral. (… e é bom que seja assim…)

O material que vai para aterro é fragmentado por máqiuinas e enterrado em camadas, onde há tubulações para coleta do gas e aproveitamento como combustível.
O composto orgânico não é aproveitado por causa de cobtaminação com metais pesados.
Tem um departamento de engenharia ao encargo deste gerenciamento, por causa dos volumes envolvidos.

O volume total diário de lixo orgânico da Cidade de São Paulo é de 150.000.000 kilos (cento e cincoenta mil toneladas POR DIA).
Existe uma logística de coleta com caminhóes menores, compactadores, recoleta em carretas de 40 toneladas, e envio para os aterros sanitários, fragmentação e espalhamento com tratores, cobertura com camadas de terra, etc.

Minha observação é que o saquinho de polietileno do supermercado (bem como os sacos maiores necessários para a coleta), embora não se decomponham fácilmente, representam muito pouco no volume total de lixo orgânico da cidade. Todo este movimento para reduzir sacos nas compras do supermercado é poétkico pfracaramba, mas representa na prática, absolutamente NADA. Você quer realmente contribuir com a Mãe Natureza?

Vamos para a proposta.

Meu avós maternos tinham quintal. E nãso tinham coleta de lixo. E o lixo orgânico ia todinho para um poço raso do quintal, sempre coberto com uma camada fina de folhas, terra, etc. Eles não jogavam lixo fora. Virava adubo, e do bom.

Hoje muitos de nós não temos quintal, quando muito um jardinzinho. mas quem tiver uns 3 m2 de terra (1,5 x 2,5 m) onde bata o sol, pode contribuir comuma versdadeira  revolução verde. Os engenheiros agronomos Célio Luis Franco e Antonio Barbosa Pereira, da Associação de proteção ao Meio Ambiente de Moghi-Guaçu inventaram um biodecompositor para lixo orgânico sólido, simples de construir, usar e manter,

O projeto foi publicado na Revista do Crea, e tem baixo custo de aquisição e manutenção.
Consta de um par de tambores de aço de 200 litros cada, que podem ser comprados em ferro-velhos especializados.
Os tambores devem ser furados para encaixar um balde plástico (sem fundo) com tampa hermética de um lado e uma tela de nylon no fundo.
A tampa roscada do tambor será usada para um respiro feito com cano de PVC e um copo (pode ser plástico)

O tambor deve ser enterrado uns 15 cm no chão, que pode ser de grama ao redor. A tela vai no fundo aberto do tambor.

Dentro pode ser jogado restos de comida e verduras, cascas de frutas, ovos e legumes, pó de café com filtro de papel, ossos de frando e peixe, fezes de cão, gato e aves, cinzas e restos de cigarros, enfim, tudo menos líquidos. Para uma decomposição mais rápida, o ideal é que os restos sejam triturados e espalhados pelo fundo do tambor. Evidentemente nada tóxico pode ser jogado no biodecompositor (como pilhas, produtos químicos, remédios velhos etc.) O acesso é pelo balde cuja tampa serve para selar o tambor.

A cada 7 dias deve ser colocada uma camada de uns 2 cm de serragem pura ou misturada com terra. usando folhas em vez da serragem pode ser necessário aumentar a camada. O volume dos resíduos vai se reduzindo contínuamente à medida da decomposição.

è importante que o tambor receba sol, isto vai cozinhar o conteudo, o que acelera a decomposição. Os gases que se formam serão liberados vagarosamente pelo respiro coberto, e levado pelo vento o que evitará cheiro e atração de insetos.

Durante a decomposição podem surgir larvas de insetos, que ajudam no processo de decomposição mas não completarão o ciclo vital e serão incorporadas no composto orgânico. Também haverá formação de ácidos (chorume) que será absorvido pela terra do fundo do tambor.

Uma família de 6 pessoas deve conseguir encher um tambor em cerca de 8 meses, após o que o segundo tambor deve começar a ser utilizado. A biodecomposição completa do primeiro tambor ocorrerá em mais 2 meses. Após este período, pode começar a remoção do composto aos poucos pela parte superior, com intervado de 4 a 7 dias, à medida que vai perdendo o cheiro. Quando o braço não alcançar mais, deve-se tombar o tambor para remover o restante pelo fiundo. A lama orgânica da parte inferior deve ser incorporada ao total retirado. Quando o composto apresentar cheiro de terra molhada ou cheiro de floresta poderá ser usado como excelente adubo.

Existem variáveis como a velocidade de decomposição, que depende do tipo de resíduo, da quantidade de sol, da fragmentação prévia, do volume diário.
O projeto também funciona com recipientes menores de plástico (existem bombonas de 70 litros), mas a eficiência é maior usando tambores de aço.

Espero ter inspirado vocês.
ARY

Um comentário em “Então você acha que economizar o saquinho do supermercado é relevante? Dá para fazer muito mais pelo meio ambiente!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s