Arnaldo V. Carvalho

O excelente projeto “The Meatrix” foi divulgado por mim através do Portal Verde no seu lançamento, em 2003, quando tornei-me voluntário do projeto. Trata-se de uma animação pitoresca, que parodia a trilogia cinematográfica “Matrix”, para tentar levar a público mais sobre uma realidade desconhecida, negligenciada e principalmente ESCONDIDA da população urbana. A produção rural industrial, a crueldade animal, a terrível – e real – perspectiva bacteriológica, tudo é tocado em poucos minutos, com diversão e um botão em fórmula de pílula, que convita os expectadores a conhecerem mais da realidade e de como o cidadão pode agir contra um modelo que sem dúvida é insustentável em diversos níveis (ambiental, social, econômico, humano, etc.) através da página do projeto.

Por hora, deixo vocês com os primeiros dois vídeos, e o convite para em seguida acessarem, e AGIREM.

Abraços,

Arnaldo V. Carvalho

http://www.themeatrix.com/

Meatrix:

Ver o post original

Malefícios das frutas geladas

DOS MALEFÍCIOS EM INGERIR FRUTAS GELADAS


A geladeira – uma bênção quando usada convenientemente – converteu-se numa maldicão.

Utilizada para conservar frescos os alimentos que podem deteriorar-se, é uma bênção. Usada para permitir-nos ingerir comidas e bebidas geladas, é uma maldição. A comida e as bebidas geladas já produzem um efeito desastroso tão logo entram na boca. Fende-se o esmalte dos dentes e perde-se a capacidade de combater as bactérias da boca. O resultado é a ruína dos dentes. A membrana mucosa da língua também é afetada. Sem que notemos , embota-se-lhe a delicada sensibilidade. À língua incumbe a tarefa de distinguir os mais finos matizes do gosto, de sorte que possamos nos defender contra a entrada de qualquer espécie de partículas alimentares estragadas ou
venenosas. Uma língua embotada, porém, não pode realizar perfeitamente essa tarefa!
Também são atingidas as membranas mucosas da garganta e do estômago; a visícula biliar e o fígado sofrem sérios ataques. Não é muito para admirar que uma percentagem tão assustadoramente alta de pessoas civilizadas sofra de acidez gástrica, úlceras do estômago, inflamação da vesícula, cálculos biliares e distúrbios hepáticos e pacreáticos. A coisa mais pegigosa, entretanto, é a FRUTA GELADA. Os flúidos se harmonizam mas rapidamente com a temperatura do corpo do que os pedaços de frutas gelada, especialmente quando não muito bem mastigados, que ficam por muito tempo entalados no estômago, não apenas resfriando as membranas mucosas das paredes
estomacais, mas também os orgãos vizinhos.

Praticamente a mesma coisa pode dizer-se dos alimentos e bebidas quentes. Não faz muita diferença o serem as mucosas atacadas pelo frio ou pelo calor. Em ambos os casos, mostra-nos a experiência que qualquer desvio da temperatura saudável no que comemos e bebemos abre caminho para o câncer da garganta, do estômago, do fígado e do pâncreas.”

Retirado do livro YOGA E SAUDE – Selvarajan Yesidian e Elisabeth Haich – Editora Cultrix. – Capítulo VIII – Apetite Civilizado.

 

Benefícios da Aveia contra a Obstipação Intestinal

A obstipação intestinal 

A obstipação é uma desordem heterogênea que normalmente ocorre por
movimentos irregulares no cólon, anorecto ou ambos 1 . No entanto, sua
definição é muito subjetiva. Na opinião de alguns autores pode estar
relacionada ao fato de apresentarem fezes muito sólidas, muito pequenas,
muito infreqüentes ou difíceis de serem expelidas ou pela sensação de
evacuação incompleta 2 .

De acordo com os “critérios de Roma”, a obstipação intestinal funcional é
diagnosticada quando o indivíduo apresenta dois ou mais dos seguintes
sintomas, em pelo menos 25% das evacuações por um período mínimo de três
meses: esforço ao evacuar; fezes endurecidas ou fragmentadas; sensação de
evacuação incompleta; manobras manuais para facilitar a evacuação; sensação
de obstrução ou interrupção e menos de três evacuações por semana 3 .
Alguns estudos norte-americanos estimam a prevalência de obstipação de
1,2% a 8% na população mundial. No Brasil, a prevalência encontrada foi de
36% 4 .

A obstipação intestinal pode decorrer de inúmeras causas, sendo a
alimentação inadequada a mais comum, como por exemplo, o alto consumo de
alimentos industrializados e refinados, além da rotina de trabalho, a vida
sedentária e o uso abusivo de laxativos.
Papel das fibras no tratamento e prevenção da obstipação intestinal
A fibra alimentar, mais do que qualquer outro componente da dieta, afeta
largamente a função intestinal causando aumento do bolo fecal, diluição do
conteúdo nunca deixem portas abertascolônico, aumento na velocidade do
trânsito intestinal e mudanças no metabolismo de minerais, nitrogênio e
ácidos biliares além de interferir na absorção de açúcares e gorduras 5 .
Uma dieta rica em fibras resiste à digestão enzimática ou absorção de
líquidos durante a sua passagem pelo trato intestinal e, portanto, forma um
bolo fecal volumoso, que é um estímulo para a evacuação. Por outro lado, uma
quantidade insuficiente de fibras na dieta pode causar obstipação porque
haverá pouca quantidade de resíduos no cólon e é necessário um aumento no
volume do bolo fecal para promover um peristaltismo normal 6 .
O American Dietetic Association 7 recomenda a ingestão de 25-30g/ dia
de fibras para adultos saudáveis, valor que corresponde, por exemplo, a 1
xícara (chá) de aveia / dia. Para as crianças, o valor em fibras deve ser a
idade em anos + 5 g/dia, o que normalmente não é seguido devido à baixa ingestão de alimentos
ricos em fibras como frutas, vegetais, grãos e cereais integrais e legumes.
A importância da fibra da aveia na obstipação intestinal

As fibras solúveis, provenientes da aveia, têm demonstrado exercer
importante papel laxativo contrariando conceitos antigos. Isso ocorre
principalmente através do aumento da massa bacteriana fisiológica e da
produção de gás que elas provocam 5 .
As fibras da aveia, representadas pela B-glucana, em 40 a 50%, possuem um
poder de fermentação alto quando comparadas às fibras presentes em outros
alimentos, sendo rapidamente fermentadas na região proximal do cólon para
crescimento bacteriano, fornecendo benefícios no trânsito intestinal 8 .
Este aumento da fermentação bacteriana da fibra da aveia, aumenta a produção
de AGCC que são substratos imediatos para as células intestinais, melhorando
o trofismo das vilosidades e repercutindo na manutenção da integridade da
mucosa intestinal normal 5 . As B-glucanas atuam também no aumento do volume
fecal podendo representar até 1/3 do peso das fezes contribuindo para a
redução do tempo de trânsito intestinal 9, 10 .

As fibras da aveia trazem em sua estrutura um grande valor terapêutico no
tratamento da obstipação contribuindo com a difícil tarefa de atingir a
ingestão diária de fibras recomendada e prevenindo a ocorrência de
patologias associadas a obstipação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Eastwood, M. Fiber and gastrointestinal disease. In. Dietary Fiber :

Chemestry, Physiology, and health Effects. Edited by Kritchesvky, C.
Bonfield, and JW Anderson. New York, Plenum Press, 1990.
2. Wald, Md. A. Constipation. Med Clin North Am 2000; 84(5): 1231-46
3. Andre, SB; Rodriguez, TN; Filho, JPPM. Obstipação Intestinal: Como
tratar & diagnosticar. Ver Brás med, 2000, 57 ed.
4. J Pediatr Gastroenterol Nutr; 29(2):190-3, 1999
Aug. Constipation in school-aged children at public schools in Rio de
Janeiro, Brazil
5. Magnoni, D., Pimentel, I.C. Papel das Fibras Alimentares na Obstipação
Intestinal. Quaker, 2000.

6. Mahan, L. K. e Arlin, M. T. Krause: Alimentos, Nutrição e
Dietoterapia. 8ª ed.
7. J Am Diet Assoc 2002; 102(7):993-1000
8. Titgemeyer EC, Bourquin LD, FAHEY JR DAT. Fermentability of various
fiber sources by human fecal bacteria in vitro. Am J Clin Nutr 1991;
53:1418-1424
9. Marquez, L.R. A fibra terapêutica, 2ed São Paulo: GRP Propaganda.
10. Takahashi, H, Wako, N, Okubo, T., et al. Influence of partially
hydrolezed guar gum on
constipation in the elderly. Curr Med Res Opin, 9 (10): 716-720, 1985
11. Redondo ML, Tonré RB, Vila AA, e cols. Fibra terapêutica. 2ª ed. BYK.
Química, 2001

Banana com Aveia: Mistura energética!

Atletas gostam mesmo é de… banana. Há uma boa razão para o alto conceito que a fruta tem entre os esportistas: uma banana média contém 26 gramas de carboidratos além de ser rica em minerais como potássio e magnésio, importantes para regular as contrações musculares.

A aveia é o alimento ideal para quem pratica esportes, pois aumenta a energia de quem vai se exercitar É o que dizem pesquisadores da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos EUA. Eles constataram que os estudantes que consumiram aveia 45 minutos antes de se exercitar numa bicicleta ergométrica pedalaram, em média, 15 minutos a mais do que aqueles que comeram igual quantidade de calorias provenientes de outros cereais matinais. Rica em fibras e carboidratos, a aveia libera lentamente a glicose para os músculos, daí o aumento da energia. Meia xícara de aveia seca contém 27 gramas de carboidratos e 4 gramas de fibras.

 

Fonte: Suplemento de Domingo – Jornal da Tarde Data: 21.03.99

Propriedades terapeuticas das frutas

As Propriedades Terapêuticas das Frutas

Ao decorrer do tempo, o homem veio a descobrir que as frutas possuem não
só um grande valor nutritivo, mas também efeito medicinal. As frutas hoje
estão entre os maiores agentes terapêuticos dados pela natureza.

Todas as frutas são dotadas de propriedades medicinais. Umas são adstringentes,
outras emolientes, etc. Umas excitam as funções gástricas, outras ativam
as funções intestinais, etc. Umas desintoxicam o organismo, dissolvendo
e expelindo os venenos; outras suprem ao organismo as necessárias vitaminas
e os indispensáveis sais.

O poder medicinal das frutas é caracterizado para cada espécie. Assim, apresentamos
a seguir um resumo das constatações experimentais:

· ABACATE – É usado contra o reumatismo, promove a eliminação dos gases,
digestivo, laxativo.
· ABACAXI – Facilita a digestão, germicida, oxidante forte, desobstruente
do fígado, combate a icterícia, combate a artrite, combate o inchaço, combate
a difteria, bom contra as afecções da garganta e contra a arteriosclerose.

· ABIU – Combate as afecções das vias respiratórias.
· AMEIXA – É purgativa, depurativa.
· AMÊNDOA – É boa contra as enfermidades das vias respiratórias e a irritação
das vias urinárias.
· ARAÇA – É calmante.
· AZEITONA – A verde é adstringente, ao passo que a preta é laxativa.
· BANANA – Combate a diarréia, calmante, favorece a formação, secreção e
excreção do leite, combate a anemia.
· CAMBUCÁ – É bom para o estômago.
· CAQUI – É alcalinizante, bom para as afecções do fígado e os catarros
da bexiga.
· CASTANHA – É benéfica para os rins e o fígado, e muito útil na diarréia
das crianças.
· CEREJA – É alcalinizante, remineralizante, combate a desinteria, e eficaz
contra a arteriosclerose.
· COCO – É calmante, combate a febre, combate os vermese útil nas inflamações
intestinais.
· FIGO – Combate as afecções das vias respiratórias, laxante, tem a propriedade
de amolecer os tecidos, atenuar as inflamações, as inchações e as queimaduras,
e aliviar as dores e cura feridas.
· FRUTA-DO-CONDE – É estimulante do apetite.
· JENIPAPO – É indicado na má digestão e nas afecções do fígado e do baço.

· GOIABA – Combate a diarréia e os tumores.
· GRUMIXAMA – É estimulante do apetite, reanimadora.
· JABUTICABA – É estimulante do apetite, reanimadora.
· LARANJA – Combate a falta da vitamina C, estimulante do apetite, reguladora
intestinal, laxante, diurética, combate o reumatismo, calmante, digestiva,
antifebril, anti-hemorrágica, combate a nevralgia, restaura o fluxo menstrual,
quando escasso ou ausente, combate a nefrite, depurativa, contra verminose,
etc.
· LIMA – É acalinizante e combate a falta da vitamina C.
· LIMÃO – O suco é estimulante do apetite, diurético, combate a febre, combate
o reumatismo, combate a falta da vitamina C, anti-séptico, adstringente,
curam feridas e combate o vômito.
Dissolve os cálculos; combate as afecções produzidas por diversos microorganismos
(cólera, disenteria, tifo, etc.).
· MAÇÃ – Combate a diarréia, estomacal, combate as afecções das vias respiratórias.
Alimento para o cérebro.
· MAMÃO – É laxante, diurético, tem a propriedade de amolecer os tecidos,
atenuar as inflamações, as inchações e as queimaduras, e aliviar as dores
e cura feridas, refrescante.
· MANGA – É anticatarral, combate a falta da vitamina C, depurativa, refrescante,
tem a propriedade de fazer suar, digestiva.
· MANGABA – É digestiva.
· MARACUJÁ – É calmante e tem a propriedade de amolecer os tecidos, atenuar
as inflamações, as inchações e as queimaduras, e aliviar as dores e cura
feridas. Muito usado na coqueluche.
· MARMELO – É adstringente, fortificante do aparelho digestivo.
· MELANCIA – É calmante, diurética, refrigerante.
· MELÃO – É calmante e diurético.
· MORANGO – É diurético, anti-reumático, alcalinizante, combate a febre,
elimina toxinas do fígado, laxante, facilita a digestão, tônico para os
nervos.
· NOZ – É bom remédio para o cérebro e para o sistema nervoso em geral.

· PÊRA – É diurética e abaixa a pressão.
· PÊSSEGO – É um bálsamo para o estômago e um precioso alimento para os
diabéticos.
· PITANGA – É refrigerante e antiberibérica. As folhas combatem a febre,
mesmo nas maleitas rebeldes.
· ROMÃ – As raízes são usadas para expulsar a tênia (ou solitária).
· SAPOTI – É refrigerante.
· TAMARINDO – É laxante e até purgativo.
· UVA – É vitalizadora, alcalinizante, anti-reumática, depurativa,diurética,
laxante, tônica para o sistema nervoso.

 

Importância da água no organismo

A seguir, reproduziremos um caso relatado pelo Dr. Ícaro Alves Alcântara – Médico docente da disciplina SEMIOLOGIA do UNICEUB – Centro Universitário de Brasília.

Há cerca de um ano, atendi no HFA uma senhorita dos seus “quase 30 anos” com uma ENXAQUECA bastante comum: Cefaléia (Dor de cabeça).

A paciente relatava que já havia passado por otorrinos, oftalmo, neuro, clínico e até endocrinologista, com as prescrições dos mais diversos tratamentos e a presunção de várias hipóteses diagnósticas, sem qualquer melhora, entretanto.

Durante sua consulta, entre várias perguntas habituais, questionei o quanto de ÁGUA ela bebia por dia e de que forma (ou seja, com qual periodicidade).

A mesma me afirmou que bebia pouquíssima água, porque não sentia sede, principalmente à noite.

Após várias outras perguntas, suspendi todos os
medicamentos e disse-lhe que ela precisava apenas tomar água adequadamente.

Um tanto quanto descrente, ela voltou para casa.

Após apenas uma semana, retornou referindo que não sentia mais dor de cabeça, que seu intestino funcionava melhor e que sua disposição havia
melhorado.

Milagre?
Não. Bom senso. Mudanças ou adequação de hábitos em nossas vidas.

Todos nós sabemos o quanto é importante uma ingestão adequada de água diariamente, mas quase sempre negligenciamos.

Todos os organismos vivos apresentam de 50% a 90% de água em si.

O próprio corpo humano é constituído em 70% por água que, em constante movimento, hidrata, lubrifica, aquece, transporta nutrientes, elimina
toxinas e repõe energia, entre inúmeras outras utilidades.

Preconiza-se o número de 1 copo de 200ml de água por hora em que se estiver acordado.

Assim sendo, a ingestão de água deve ser independente da sede, constante e rigorosa.

E não adianta deixar para tomar os 2 a 3 litros necessários diariamente de uma só vez.
Estudos mostram que o estômago capacita apenas 12ml/kg/hora, ou seja um adulto não conseguirá tomar mais de um litro de uma só vez sem “passar mal”.

Se você ainda não se convenceu, observe:

desvitalização dos cabelos;
descamação do couro cabeludo;
distúrbios de concentração;
sono e memória, com perda da disposição para realização das atividades diárias, em virtude da circulação cerebral por baixa quantidade de água que faz o sangue ficar mais “viscoso” e “grosso”, de circulação mais lenta;

ressecamento dos olhos e tecido das vias aéreas que com baixa umidade, sofrem lesões com mais facilidade por ficarem mais frágeis, assim tornando-se mais propensos a inflamações e infecções;
conjuntivites;
sinusites;
bronquites;
pneumonias;

lesões da pele com aparecimento de cravos e espinhas pela não eliminação adequada das toxinas via pele e seu acúmulo local;
queda e enfraquecimento dos pêlos;
baixa produção de saliva;
distúrbio no aproveitamento adequado
de vitaminas e sais minerais, com excesso em alguns lugares e falta em outros, levando a cãibras, dormências, perdas de força muscular e problemas ósseos dentais;

respiração dificultada, por vezes levando à falta de ar, sobretudo nos exercícios físicos;
constipação e por vezes, sangramento retal (devido a fezes ressecadas, endurecidas que lesam o tecido intestinal ao moverem-se em seu interior);
impotência ou disfunções eréteis ou, no caso das mulheres, sangramentos vaginais.

É certo que há água nos alimentos, mesmo os sólidos, mas a complementação da ingestão diária de água deve ser feita, periodicamente, conforme já disposto.
Uma forma de se observar se a quantidade de água é adequada, é observar a cor da urina, que deve ser incolor. Quanto mais forte, pouca ingestão de água
está sendo feita.

Vale lembrar que é sempre bom evitar bebidas alcoólicas, ou não alcoólicas, que apesar de serem diuréticas evitam que se beba a água.

Evite também, a ingestão de água pelo menos meia hora antes do almoço, para não prejudicar a digestão.

Uma curiosidade:

Há trabalhos científicos evidenciando que muitos
tratamentos com medicações orais, sobretudo anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal e anti-hipertensivos não alcançam o devido sucesso em virtude da baixa ingestão de água por parte do paciente; isto se deveria tanto à má circulação da substância pelo corpo quanto à má absorção da
mesma no intestino, processo este dependente da água como veículo de transporte para a substância.

Ícaro Alves Alcântara
Revista UNICEUB – Ano IV – Abril 2003 – Nº 8

A riqueza da Linhaça

O nome botânico da linhaça é Linum usitatissimum da família Linaceae. A

semente é chata, ovalada e pontiaguda. É um pouco mais larga que uma
semente de girassol, com uma medida aproximada de 2.5 x 5.0 x 1.5 mm. A
linhaça tradicional é de cor marrom avermelhada, brilhante, com uma
textura firme e mastigável. Seu sabor é parecido com o da castanha e é
levemente amargo. A planta da linhaça é azul e florida.

A Linhaça é rica em proteína, gordura e fibras dietéticas, análises da
linhaça canadense mostraram uma média de 41% de gordura, 28% de fibras
dietéticas, 21% de proteína, 4% de resíduos e 6% de outros carboidratos
(os quais incluiriam açúcares, ácidos fenólicos, lignana e hemicelulose).

CALORIAS, PROTEÍNAS & LIPÍDIOS
A quantidade de calorias presente em 100 gramas de linhaça é de 396 kcal,
sendo 109 kcal de proteína e 287 kcal de lipídios. Isto corresponde a
30,90 g de lipídios e 24,40 g de proteínas.

PROTEÍNAS
A composição de aminoácido (tabela 1) encontrada na proteína da linhaça é
similar ao da proteína de soja, que é vista como uma das mais nutritivas
proteínas vegetais. As proteínas da linhaça são a albumina e a globulina.
Elas respondem por cerca de 20 a 42% da proteína da linhaça.

Tabela 1: Composição de Aminoácido da Linhaça

Aminoácido g/100g de proteína
—————————————————————————–
Alanina 4.7
Arginina 10.0
Ácido Aspártico 10.0
Cistina 1.8
Ácido Glutamínico 20.0
Glicina 5.9
Histidina* 2.1
Isoleucina* 4.1
Leucina* 6.0
Lisina* 4.0
Metionina* 1.4
Fenilalanina* 4.8
Prolina 3.8
Serina 4.7
Treonina* 3.8
Triptofano* –
Tirosina 2.4
Valina* 5.1

Fonte: OOMAH E MAZZA (1993) – * Aminoácidos essenciais aos humanos

LIPÍDIOS
A linhaça é composta por 57% de ácidos graxos ômega-3, 16% de ômega-6, 18%
de ácido graxo monoinsaturado e somente 9% de ácidos graxos insaturados. A
predominância do ômega-3 na semente da linhaça tem sido correlacionada com
a prevenção das doenças coronarianas e câncer.

FIBRAS
As fibras dietéticas, no total, respondem por cerca de 28% do peso seco de
linhaça. Relatórios sobre as proporções de fibras solúveis e insolúveis na
linhaça variam entre 20:80 e 40:60. A faixa depende do método usado na
análise química e extração de resina. A fração de fibra mais importante
consiste de amidos resistentes, como a celulose e complexos polímeros com
a lignana. O componente solúvel em água da fibra de linhaça, é basicamente
composto por resinas adesivas em níveis de 7% a 10%. Pela presença das
fibras solúveis, a linhaça apresenta efeitos fisiológicos na dislipidemia
e arteriosclerose.

MINERAIS E VITAMINAS
A linhaça é particularmente rica em potássio, fornecendo cerca de 7 vezes
mais que a banana. A vitamina E está presente na linhaça primariamente
como gama-tocopherol funcionando como um antioxidante biológico.

Fitoquímicos
A linhaça exerce proteção contra certos tipos de câncer, particularmente
aqueles sensíveis à hormônios como os de mama, endométrio e próstata.
Reduz os níveis de colesterol sangüíneo, o risco de doenças
cardiovasculares e modula o sistema imune.

A linhaça contém 2 componentes que afetam favoravelmente o sistema imune:
ácido alfa-linoléico (ALA) ou ácido graxo ômega-3, e lignanas
(fitoestrógeno). Estes componentes afetam as células e mediadores
responsáveis do sistema imune como os eicosanóides e citoquinas. ALA, por
exemplo, elimina a proliferação do sangue periférico mononuclear dos
linfócitos e a dilatação a resposta hipersensitiva de certos antígenos. As
lignanas são componentes fenólicos, que contém o 2,3-dibenzilbutano em sua
estrutura. São fitoquímicos biologicamente ativos com potencial
anticancerígeno A linhaça é uma fonte particularmente rica em um precursor
da lignana, chamado secoisolariciresinol diglycoside, ou SDG.

Os ácidos fenólicos são fitoquímicos abundantes na linhaça e por ocorrerem
em associação com as fibras nas paredes celulares alguns deles poderiam
assumir o papel nos benefícios à saúde atribuíveis às fibras da linhaça.
Os mais importantes são: trans-ferulico, trans-sinapico, p-coumarico e
trans-caffeico. O total dos ácidos fenólicos variou de 7.9 mg/g a 10.3
mg/g em 8 variedades de linhaça cultivadas no Canadá.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. SIMOPOULOS, A.P. Ômega-3 fatty acids in health and disease and in
growth and development. Am. J. Clin. Nutr., 54: 438-463, 1991.
2. CARTER, J.F. Potential of flaxseed and flaxseed oil in baked goods and
other products in human nutrition. Cereal Foods World 38: 753-759, 1993.W
3. LEAF, A & WEBER, P.C. Cardiovascular effects of ômega-3 fatty acids. N.
Engl. J. Med., 318: 549-557,1988.
4. WHO & FAO JOINT CONSULTATION. Fats and oils in human nutrition. Nutr.
Res., 53: 202-205, 1995.

Alimentação Integral contra câncer e colesterol

Comer diariamente produtos integrais como arroz, soja e farinha diminui o risco de desenvolver doenças como câncer e problemas cardíacos. Essa é a conclusão de um estudo realizado na Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos. A pesquisa levou nove anos e analisou 39 mil mulheres entre 55 e 69 anos adeptas dos alimentos integrais. A taxa de mortalidade delas foi 15% inferior à que ocorre normalmente nessa faixa etária. Acredita-se que esses alimentos melhoram a digestão e ajudam a diminuir as taxas de colesterol no sangue.

 

Fonte: Viva bem – Revista Isto é – Data: 10.03.99 – Carla Gullo 

Conheça a GARCÍNIA CAMBOJA

GARCÍNIA CAMBOJA

Vários profissionais não medem esforços no combate a obesidade e seus
riscos para a saúde. Por ser um tratamento que necessita de disciplina, a
terapia comportamental vem a cada dia mais dando espaço as estratégias
farmacológicas para a redução do peso. Uma área terapêutica que está
sofrendo rápido crescimento é a utilização de produtos à base de ervas.

Um exemplo, é o ácido hidroxicítrico que é o componente ativo de uma
planta nativa da Índia, a Garcínia Cambogia. O ácido hidroxicítrico foi
primeiramente descrito por WATSON e colaboradores no final da década de
60, como um potente inibidor da enzima extra mitocondrial adenosina
trifosfato -citrato-liase. A inibição da clivagem do citrato à enzima
adenosina trifosfato causa inibição da liberação de acetil coenzima A, que
é o substrato necessário para a síntese dos ácidos graxos, inibindo assim
a lipogênese. Subseqüentemente, foi demonstrando tanto in vivo como in
vitro, que o ácido hidroxicítrico em animais, além de inibir a clivagem do
citrato à enzima e a nova síntese dos ácidos graxos, também aumenta a
síntese do glicogênio hepático, causando supressão do apetite e diminuição
do ganho de peso.

Apesar do ácido hidroxicítrico parecer ser um agente promissor no controle
do peso, estudos em humanos são limitados e os resultados contraditórios.
Autor (ano): Conte (1993)2
Amostra: 39 adultos obesos
Dosagem: 500 mg de GCE e 100 g de nicotinato de cromo -3/dia
Duração (sem): 8
Efeitos:  do peso total: GS:  5 kg GP:  1,9 Kg
 5,5% peso total nas mulheres e 4,9% nos homens (p<0,001)

Autor (ano): Badmaev & Majeed apud Heymsfield et al. (1998)3a
Amostra: 55 adultos obesos
Dosagem: 500 mg de GCE e 100 g de nicotinato de cromo -3/dia
Duração (sem): 8
Efeitos:  do peso total: GS:  5 kg GP:  1,9 Kg
 5,5% peso total nas mulheres e 4,9% nos homens (p<0,001)

Autor (ano): Thom (1996)4
Amostra: 60 Indivíduos
Dosagem: 1320 mg/dia de ácido hidroxicítrico dividido em 3 doses, com uma
dieta pobre em gordura com 1200 kcal/dia
Duração (sem): 8
Efeitos:  do peso total: GS:  6,4 kg GP:  3,8 Kg /
 conteúdo de gordura: GS:  87% GP:  80%

Autor (ano): Girola et al. (1996)5
Amostra: 150 Adultos Obesos
Dosagem: 55 mg GCE, 19 mg de cromo e 240 mg de chitosan – 1 ou 2/dia com
uma dieta hipocalórica
Duração (sem): 4
Efeitos:  conteúdo de gordura: GS:  12,5% e 7,9 % GP:
 4,3% (p<0,01)

Autor (ano): Rothacker & Waitman (1997)6
Amostra: 48 Adultos Obesos
Dosagem: 800 mg GCE, 50 mg de cafeína natural e 40 g de picolinato
de cromo – 3/dia com uma dieta de 1200 kcal/dia
Duração (sem): 6
Efeitos:  conteúdo de gordura: GS:  4% GP:  3%

Autor (ano): Ramos et al. Apud Heymsfield (1998)3b
Amostra: 35 Adultos Obesos
Dosagem: 500 mg GCE, 3/dia com uma dieta pobre em gordura com 1000 a 1500
kcal/dia
Duração (sem): 8
Efeitos:  peso total: GS:  4,1  1,8kg GP: 
1,3  0,9kg (p<0,01)
Autor (ano): Kaats et al. apud Heymsfield (1998)3c
Amostra: 186 Indivíduos
Dosagem: 1500 mg/dia de GCE, 600 g/dia de picolinato de Cromo e
1200 mg/dia de L-carnitina com uma dieta pobre em gordura e rica em fibras
Duração (sem): 4
Efeitos:  conteúdo de gordura: GS:  1,2kg GP: 
635g (p<0,01)

* GCE – Extrato de garcínia cambogia; GS – grupo suplementado; GP – grupo
placebo

Como pode ser verificado nos estudos demonstrados no quadro a garcínia
cambogia geralmente é utilizada junto com outro ingrediente, o que pode
contribuir com seus possíveis efeitos na redução do peso.

Outro ponto que deve ser considerado é a dosagem e o tempo de
administração da erva. SULLIVAN et al. (1972) demonstraram que os efeitos
do ácido hidroxicítrico dependem do tempo de administração da erva em
relação a refeição. O efeito máximo do ácido hidroxicítrico é obtido
quando o mesmo é administrado a cerca de 30 a 60 minutos antes da
refeição. Além disso, é postulado que se o ácido hidroxicítrico for
fornecido em doses divididas sua eficácia é maior do que quando
administrado em uma única dose. As doses utilizadas em humanos variam
entre 750 e 1500 mg/dia.

Dos 7 trabalhos descritos, 5 mostraram efeitos significativos da
utilização da garcínia cambogia isoladamente ou em combinação com outros
ingredientes (3a,3b,3c,4,5). Como podemos observar alguns desses estudos
possuem limitações que colocam em dúvida a eficácia da utilização da
garcínia cambogia, como por exemplo: falta de grupo placebo (3),
co-administração da garcínia cambogia em combinação com outros
ingredientes potencialmente ativos (2,3a,5,6), uso de método inadequado de
avaliação da composição corporal (4) e estudos que ainda não foram
publicados (3b,3c).

O extrato da garcínia cambogia, o ácido hidroxicítrico, tem sido
pesquisado desde de 1883, onde procurou-se determinar suas funções e
principais atuações no metabolismo humano. No entanto, muito pouco ainda
se sabe a respeito de seus verdadeiros efeitos fisiológicos, bem como dos
efeitos crônicos causados pela sua suplementação e suas contra-indicações.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. WATSON, J.A. et al. Tricarballylate and hydroxycitrate: substrate and
inhibitor of ATP-citrate oxaloacetate lyase. Arch. Biochem. Biophys, 35:
209-217, 1969.
2. CONTE, AA. A non-prescription alternative on weight reduction therapy.
Am. J. Bariatr. Med., 17-19, 1993.
3. HEYMSFIELD, S.B. et al. Garcinia cambogia (hydroxycitric acid) as a
potential antiobesity agent. JAMA, 280 (18): 1596-1599, 1998.
4. THOM, E. Hydroxycitrate (HCA) in the treatment of obesity. Int. J.
Obes., 20 (S4): 48, 1996.
5. GIROLA, M. et al. Dose effect in lipid-lowering activity of a new
dietary intetrator (chistosan, garcinia cambogia extract, and chrome).
Acta Toxicol. Ther., 17: 25-40, 1996.
6. ROTHACKER, D.Q. et al. Effectiveness of a Garcinia Cambogia and natural
caffeine combination in weight loss: a double-blind-placebo-controlled
pilot study. Int. J. Obes., 21 (S2): 53, 1997.
7. SULLIVAN, A.C. et al. Inhibition of lipogenesis in rat liver by
hydroxycitrate. Arch. Biochem. Biophys. 150: 183-190, 1972.

Levedo de cerveja

Levedura de Cerveja

As qualidades terapêuticas da levedura são conhecidas por Hipócrates, o pai da medicina. Os monges medievais a utilizavam contra as chagas, mas somente na idade moderna é que se pode conhecer seu grande valor.

Na verdade, a levedura é um fungo unicelular utilizado na fermentação do açúcar de cereais, produzindo assim bebidas alcoólicas. A espécie mais importante de levedura é a saccharomyces cerevisiae, vulgarmente chamada de levedura de cerveja.

Quando a levedura perde sua utilidade nas cervejarias, é vendida para outras empresas, pois este rico material ainda pode ser aproveitado de várias maneiras, como aromatizante de sopas e caldos desidratados ou ainda como complemento para alimentação humana, vendidos na forma de flocos, cápsulas ou comprimidos.

Com a correria do dia-a-dia, é muito difícil que tenhamos uma alimentação balanceada contendo todos os nutrientes que nosso organismo precisa. O levedo, além de complementar a dieta, ajuda em diversos problemas como queda de cabelo, acne, furunculose, eczema psoríase, diabetes, fadiga, estresse, equilibra a flora intestinal, desenvolve uma ação desintoxicante aumentando a eliminação de substâncias nocivas, fortalece o sistema imunológico e os nervos. Isto tudo porque este complemento é riquíssimo em fibras, aminoácidos(formadores das proteínas), vitaminas, sobretudo as do complexo B e sais minerais, possui também um alto teor de ferro orgânico. Seu sabor amargo se deve a forte presença de cromo, que é um mineral muito importante no metabolismo do açúcar.

É verdade que a levedura engorda?
Não é verdade, pois tem poucas calorias. Se ingerida antes das refeições, pode até ajudar pessoas que querem emagrecer.
Dicas: Se quiser utilizar a levedura para regular o intestino, o ideal é tomá-la no café da manhã com bastante água.

Nos casos de reumatismo, artrite, artrose ou gota, tomar no final de cada refeição.
Para combater a obesidade, tomar 10 minutos antes de cada refeição.
A levedura pode ser tomada com água, suco de frutas ou acrescentada a comida, mas não se deve cozinhá-la para que não perca suas vitaminas.

Tania C. Castroviejo – Bióloga