A riqueza da Linhaça

O nome botânico da linhaça é Linum usitatissimum da família Linaceae. A

semente é chata, ovalada e pontiaguda. É um pouco mais larga que uma
semente de girassol, com uma medida aproximada de 2.5 x 5.0 x 1.5 mm. A
linhaça tradicional é de cor marrom avermelhada, brilhante, com uma
textura firme e mastigável. Seu sabor é parecido com o da castanha e é
levemente amargo. A planta da linhaça é azul e florida.

A Linhaça é rica em proteína, gordura e fibras dietéticas, análises da
linhaça canadense mostraram uma média de 41% de gordura, 28% de fibras
dietéticas, 21% de proteína, 4% de resíduos e 6% de outros carboidratos
(os quais incluiriam açúcares, ácidos fenólicos, lignana e hemicelulose).

CALORIAS, PROTEÍNAS & LIPÍDIOS
A quantidade de calorias presente em 100 gramas de linhaça é de 396 kcal,
sendo 109 kcal de proteína e 287 kcal de lipídios. Isto corresponde a
30,90 g de lipídios e 24,40 g de proteínas.

PROTEÍNAS
A composição de aminoácido (tabela 1) encontrada na proteína da linhaça é
similar ao da proteína de soja, que é vista como uma das mais nutritivas
proteínas vegetais. As proteínas da linhaça são a albumina e a globulina.
Elas respondem por cerca de 20 a 42% da proteína da linhaça.

Tabela 1: Composição de Aminoácido da Linhaça

Aminoácido g/100g de proteína
—————————————————————————–
Alanina 4.7
Arginina 10.0
Ácido Aspártico 10.0
Cistina 1.8
Ácido Glutamínico 20.0
Glicina 5.9
Histidina* 2.1
Isoleucina* 4.1
Leucina* 6.0
Lisina* 4.0
Metionina* 1.4
Fenilalanina* 4.8
Prolina 3.8
Serina 4.7
Treonina* 3.8
Triptofano* –
Tirosina 2.4
Valina* 5.1

Fonte: OOMAH E MAZZA (1993) – * Aminoácidos essenciais aos humanos

LIPÍDIOS
A linhaça é composta por 57% de ácidos graxos ômega-3, 16% de ômega-6, 18%
de ácido graxo monoinsaturado e somente 9% de ácidos graxos insaturados. A
predominância do ômega-3 na semente da linhaça tem sido correlacionada com
a prevenção das doenças coronarianas e câncer.

FIBRAS
As fibras dietéticas, no total, respondem por cerca de 28% do peso seco de
linhaça. Relatórios sobre as proporções de fibras solúveis e insolúveis na
linhaça variam entre 20:80 e 40:60. A faixa depende do método usado na
análise química e extração de resina. A fração de fibra mais importante
consiste de amidos resistentes, como a celulose e complexos polímeros com
a lignana. O componente solúvel em água da fibra de linhaça, é basicamente
composto por resinas adesivas em níveis de 7% a 10%. Pela presença das
fibras solúveis, a linhaça apresenta efeitos fisiológicos na dislipidemia
e arteriosclerose.

MINERAIS E VITAMINAS
A linhaça é particularmente rica em potássio, fornecendo cerca de 7 vezes
mais que a banana. A vitamina E está presente na linhaça primariamente
como gama-tocopherol funcionando como um antioxidante biológico.

Fitoquímicos
A linhaça exerce proteção contra certos tipos de câncer, particularmente
aqueles sensíveis à hormônios como os de mama, endométrio e próstata.
Reduz os níveis de colesterol sangüíneo, o risco de doenças
cardiovasculares e modula o sistema imune.

A linhaça contém 2 componentes que afetam favoravelmente o sistema imune:
ácido alfa-linoléico (ALA) ou ácido graxo ômega-3, e lignanas
(fitoestrógeno). Estes componentes afetam as células e mediadores
responsáveis do sistema imune como os eicosanóides e citoquinas. ALA, por
exemplo, elimina a proliferação do sangue periférico mononuclear dos
linfócitos e a dilatação a resposta hipersensitiva de certos antígenos. As
lignanas são componentes fenólicos, que contém o 2,3-dibenzilbutano em sua
estrutura. São fitoquímicos biologicamente ativos com potencial
anticancerígeno A linhaça é uma fonte particularmente rica em um precursor
da lignana, chamado secoisolariciresinol diglycoside, ou SDG.

Os ácidos fenólicos são fitoquímicos abundantes na linhaça e por ocorrerem
em associação com as fibras nas paredes celulares alguns deles poderiam
assumir o papel nos benefícios à saúde atribuíveis às fibras da linhaça.
Os mais importantes são: trans-ferulico, trans-sinapico, p-coumarico e
trans-caffeico. O total dos ácidos fenólicos variou de 7.9 mg/g a 10.3
mg/g em 8 variedades de linhaça cultivadas no Canadá.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. SIMOPOULOS, A.P. Ômega-3 fatty acids in health and disease and in
growth and development. Am. J. Clin. Nutr., 54: 438-463, 1991.
2. CARTER, J.F. Potential of flaxseed and flaxseed oil in baked goods and
other products in human nutrition. Cereal Foods World 38: 753-759, 1993.W
3. LEAF, A & WEBER, P.C. Cardiovascular effects of ômega-3 fatty acids. N.
Engl. J. Med., 318: 549-557,1988.
4. WHO & FAO JOINT CONSULTATION. Fats and oils in human nutrition. Nutr.
Res., 53: 202-205, 1995.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: