Archive for dezembro, 2014

Massagens inspiradas na Terapia Reichiana

MASSAGENS BASEADAS NA TEORIA
DE WILHELM REICH

die ärztin heike buhl über eine therapeutische massageform bei der ...

Wilhelm Reich, discípulo dissidente de Freud, e pai da orgonoterapia, empregava o contato físico direto – que muitos consideram massagem – em sua psicoterapia. Este procedimento baseava-se no fato de Reich ter pesquisado, estudado e formulado sua terapia, através da biologia, e da orgonomia (que é a ciência reichiana da energia vital) que as emoções reprimidas provocam constrições musculares em várias regiões do corpo, formando o que ele denominou “couraça corporal”.

A massagem na terapia reichiana – orgonoterapia, é feita para contato com a pessoa, para conhecer e sentir a sua história biológica, energética e emocional, e também para dar maior fluidez aos anéis de energia que formam o ciclo vital.

Muito embora a eficácia da Massagem Reichiana hoje seja indiscutível, Reich não fixou uma maneira única de praticá-la. Não obstante, muitas de suas técnicas permaneceram e foram desenvolvidas por seguidores seus, mas sem que realmente possam ser consideradas massagens. São pressões, pancadinhas etc., no nível do pescoço, na nuca, da cabeça e de várias regiões do tronco, acompanhadas de uma análise verbal.

A partir das ideias de Reich, muitos terapeutas têm desenvolvido novas técnicas corporais e de massagem, tendo ele expandido sua influência para além da psicoterapia.

Influências

No Rio de Janeiro, o psicólogo e terapeuta reichiano Sylvio Porto foi o pioneiro em ministrar curso de Massagem Reichiana, compilando os métodos sistematizados por Elsworth Baker e Ola Raknes, e depois por Federico Navarro e Felipe Fernandez.

José Goez nos anos 90 passou a dinamizar uma massagem inspirada no trabalho reichiano, denominando-a “Massagem Somática”.

O Prof. Arnaldo V. Carvalho no Rio de Janeiro foi o precursor do Shiatsu Emocional, primeiro estilo de Shiatsu a sofrer influência direta do trabalho de Wilhelm Reich.

Texto original: Fragmento do livro de René Marcos Orsi, “Massagem – A Terapia dos Deuses”.

Revisto e Ampliado por:  Cristina Giese – Terapeuta Reichiana

Complementado por: Arnaldo V. Carvalho

2005

Leave a comment »

Os metais pesados, seus efeitos e como o ser humano se contamina

... procura “arrumar” os metais pesados nas células ricas em gordura

Perigos dos metais pesados

Os metais pesados estão presentes em diversos produtos de consumo humano. Eles vêm envenenando a cada dia as pessoas, acumulando-se ao longo de anos, e provocando efeitos terríveis com o prazo variando de acordo com a quantidade retida no organismo.  Conheça quatro metais pesados, seus efeitos, sintomas e fontes de contato.
Alumínio: causa dormência ao cruzar a perna ou ficar na mesma posição por muito tempo; oleosidade no couro cabeludo acompanhada de queda dos cabelos. Paralisia dos membros inferiores, esclerose cerebral, doença de alzheimer, falta de disciplina, laringite crônica, coceira ao deitar-se, tendência a drogas.
Entra no organismo pelas panelas de alumínio, bebidas enlatadas, comidas em quentinhas, desodorantes, antiácidos, papel alumínio, alimentos armazenados em embalagem longa vida.
Bário: Provoca retardo mental nas crianças e embotamento em adultos, perda de memória, degeneração arterial com tendência a derrames e aneurismas, enfraquecimento do fêmur e destruição óssea do maxilar.
Entra no organismo através de pigmentos para pintura e cerâmica, água mineral, contraste radiológico, e venenos para ratos.
Boro: Salivação, náuseas, vômitos, insuficiência renal, zonas brilhantes diante da vista, encurvamento os cílios para dentro, produção de leite fora de período de lactação, adiantamento da menstruação, corrimento vaginal (clara de ovo), psoríase nas unhas, etc.
Em pequena quantidade ajuda contra os calores da menopausa e a osteoporose.
Entra através de: Borato de sódio e ácido bórico usado em vários produtos farmacêuticos e inseticidas.
Cádmio: Causa náuseas, vômitos e diarreia em pequenas medidas, podendo a intoxicação crônica atacar os rins, levando a perda de proteínas, cálculos renais e desmineralização óssea; a perda do olfato e o câncer de próstata são também relacionados ao cádmio, além de hipertensão, toxemia gravídica, imunosupressão e dificuldades de aprendizado.
Absorvido através de: Frutos do mar (especialmente mariscos), cigarros, tintas, soldas, plásticos, etc.

Leave a comment »

Vegetais entram na luta contra o Alzheimer

Dieta contra Alzheimer

Consumir legumes e verduras é um bom investimento para o futuro. Ricas em vitamina B12 e em antioxidantes (retardam o envelhecimento celular), as hortaliças evitam o aumento de uma substância chamada homocisteína no sangue. Em excesso, ela pode desencadear o mal de Alzheimer segundo pesquisadores da Universidade de Navarra, na Espanha. Para reforçar a dieta contra a doença também vale beber vinho tinto e comer alimentos que contenham vitamina C e E.

https://i2.wp.com/theadplan.com/alzheimersdietblog/wp-content/uploads/2013/01/10-top-healthy-brain-foods.png

Fonte: Ciência e Saúde – Jornal O Dia – Data: 08.03.99 – Maria Therezinha C. L. de Oliveira

Leave a comment »

Spiral Taping

SPIRAL TAPING

Técnica de tratamento que utiliza colagem de fitas adesivas em forma de espiral – “Spiral” – possuindo eficácia em edemas, tensões e dores musculares e articulares.

O tratamento resulta em uma recuperação rápida e simples da lesão, favorecendo, dessa forma, o restabelecimento do equilíbrio geral do organismo.

O Spiral Taping possui como objetivo principal não imobilizar o local da lesão, pois agirá de forma similar a função das fáscias, periósteos e cápsulas articulares, com o intuito de proteger os músculos, tendões e articulações.

As sessões são direcionadas de acordo com a patologia envolvida, variando de pessoa para pessoa.

O spiral taping é muito utilizado como recurso complementar aos demais tratamentos da fisioterapia, terapia chinesa e holística.

 

Leave a comment »

Texto curto, claro, confiável e direto sobre o SHIATSU

SHIATSU

https://i1.wp.com/upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f1/Shiatsu_5.jpg

Por Arnaldo V. Carvalho

Shiatsu é uma palavra que vem do japonês e quer dizer “pressão com os dedos”. A pressão do polegar ao longo de pontos especiais do corpo dá corpo à terapia. Suas bases, porém são bem mais complexas, sendo o profissional de shiatsu alguém que estudou a medicina tradicional chinesa. Os pontos que o shiatsu terapeuta pressiona são os mesmos pontos da acupuntura, sendo essas duas terapias complementares.

O Shiatsu atua reequilibrando a energia vital (Ki), que circula através do nosso corpo em canais chamados meridianos. Quando o fluxo do Ki é perturbado por lesões, ansiedade ou estresse, há o aparecimento dos sintomas como dores, mal-estar físico e/ou psicológico. Através desse reequilíbrio é possível tratar praticamente qualquer mal, seja como um complemento à terapia convencional, seja como o carro chefe.

Indicações

Alguns desequilíbrios com tratamento de alta eficiência pelo shiatsu incluem insônia, stress, gastrite, dores de cabeça e nas costas, hipertensão, entre outros. Problemas mais graves como certos tipos de câncer, aids e outros podem ser auxiliados pelo shiatsu, que reforça o sistema imunológico do corpo.

Quem pode fazer shiatsu

Qualquer pessoa pode fazer shiatsu, não importa a idade, peso ou doenças adquiridas. A técnica possui especificidades segundo alguns casos. Por isso, algumas vezes é necessário que o terapeuta se especialize, como no caso do tratamento de pessoas com problemas infecciosos, oncológicos, crianças, gestantes, idosos, cardiopatas, etc.

– Não tem efeitos colaterais desde que aplicado corretamente dentro de seus procedimentos técnicos.

– O Shiatsu tem uma abordagem holística, isto é, trata o corpo como um todo, não em segmentos.

– O Shiatsu fortalece o sistema imunológico, melhorando a saúde física e emocional.

Os estilos do shiatsu

Há muitos estilos de shiatsu. Alguns vem de tradições familiares de várias gerações no Japão. Alguns outros foram desenvolvidos a partir das grandes escolas de Medicina Tradicional Chinesa. Esses possuem uma visão mais tecnicista do shiatsu. Dos últimos 30 anos para cá surgiram estilos mais modernos, surgidos com o intuito de resgatar no ser humano antigos valores, reaproximando os praticantes (o que recebe e o que aplica a técnica). É uma forma mais humanista de encarar a terapia corporal. Os estilos podem diferenciar em método, mas seu objetivo é sempre o mesmo, ou seja, equilibrar a energia.

Esse texto foi publicado na primeira versão do site Portal Verde, no ano 2000.

Comments (1) »

Massagem Masculina

https://i0.wp.com/www.serenitygweedore.com/images/man_massage.jpg

A população masculina nunca se preocupou nem teve como prioridade, cuidar de seu bem estar físico e estético, supondo que tais procedimentos não passavam de veleidades femininas. Muitos homens tinham a idéia preconceituosa de que frequentar um local feminino, poderia colocar em dúvida sua masculinidade.

Porém, com os lançamentos da indústria cosmética de linhas dedicadas aos homens e a necessidade cada vez maior de competir no mercado de trabalho, nota-se uma mudança de comportamento muito grande, onde o número de homens procura tratamentos que visem uma aparência física mais saudável, vem crescendo freneticamente.
De outro lado, percebemos que esteticistas e massoterapeutas também estão passando por um processo de mudança para estarem atendendo a nova clientela. Mas creiam: clientes do sexo masculino são extremamente fiéis e, após estabelecida uma relação de confiança, dificilmente este cliente abandonará seu tratamento.
O stress, a vida profissional e social agitada, formam verdadeiras couraças musculares, que a massagem compensa este desgaste e traz à tona um ser carente que desacostumado a receber os cuidados de alguém, constrange-se em um primeiro momento, mas passa a gostar da sensação de relaxamento e alívio de dores e de tensões que nossas mãos proporcionam. BARREIRAS E OBSTÁCULOS

1) PELOS
Os pelos constituem um obstáculo para massagear o corpo masculino. Porém, a prática e a experiência nos mostrou que é possível transpor este obstáculo sem privar os homens com muitos pelos de usufruírem os benefícios que uma boa massagem pode trazer-lhes. A primeira sugestão que podemos dar é a seguinte: não fazer manobras de deslizamento e amassamento no sentido circular, pois estas poderão entrelaçar os pelos, fazendo bolinhas e, consequentemente, puxar e arrancá-los, causando dor e desconforto. O sentido correto é o longitudinal, com o uso do óleo como meio lubrificante.

2) MUSCULATURA HIPERTROFIADA
A musculatura masculina é mais volumosa, mais desenvolvida, mas dura e muito firme. Isso dificulta a execução de manobras como o amassamento. Temos ainda como agravante, o fato dos homens darem preferência à massagens mais firmes.
Para que o massoterapeuta não fique exausto, nossa sugestão é usar o peso do corpo para efetuar as manobras desejadas e manter as mãos firmes, porém, como se fossem duas almofadas. Para evitar a fadiga, o profissional deve desenvolver seu próprio ritmo e alternância de manobras, observando os seguintes requisitos: altura adequada da mesa, ambiente ventilado e temperatura adequada, meio lubrificante de boa qualidade e adequado aos vários tipos e condições de pele. Deve possuir um bom condicionamento físico, ter articulações bem treinadas, respiração adequada e uma alimentação balanceada.

3) PRECONCEITO
Infelizmente a profissão “massagista” ainda é repleta de chavões e preconceitos pejorativos que denigrem e atrapalham muito a atuação de profissionais dignos, competentes e éticos.
Muitos homens têm resistência ao toque. Já ouvimos muitos comentários do tipo: “homem não passa a mão em mim”. Graças a uma nova conscientização, isto está mudando. Felizmente temos ótimas escolas de massagem, associações de profissionais que têm trabalhado muito no sentido de melhorar a formação, o padrão profissional e a ética. A cada dia que passa percebemos que a massagem vem crescendo como uma “arte de relaxamento e alívio” e não como uma técnica erótica. As entidades de classe vêm recomendando que se substitua a denominação “massagista” por “massoterapeuta” (profissional com curso de especialização).

4) POSSIBILIDADE DE EREÇÃO
Esta é outra situação que pode causar embaraço tanto para o profissional, quanto para o massageado. É sabido que a ereção pode ocorrer voluntária ou involuntariamente. Com a experiência de muitos anos de trabalho com clientes de ambos os sexos, a solução encontrada para esta situação é usar sempre um lençol, uma toalha ou qualquer outro meio para proteger a região genital do paciente. Em caso de ereção, ignorar e continuar o trabalho normalmente como se nada tivesse ocorrendo. Lembre-se de que a pior situação é a do massageado que se encontra sem defesa, exposto a julgamentos e muitas vezes em pânico para tentar reverter o quadro. Quando este percebe a postura tranquila e natural do profissional, se acalma e tudo volta à normalidade Porém, se o (a) profissional perceber que se trata de um comportamento proposital, recomenda-se interromper o trabalho, informar que a massagem está encerrada e retirar-se do recinto, para que a pessoa possa vestir-se e refletir sobre seu comportamento deselegante e seu erro de julgamento. A postura ética, séria e firme do profissional é muito importante, nenhum tipo de concessão deve ser feita.

 

*   *   *

Atenção: Esse artigo foi publicado originalmente pela Revista Embelezze, e foi transportado para a Internet oringalmente pelo Portal Verde. Infelizmente perdemos o nome do autor. Caso você conheça o nome do autor ou saiba de algum problema autoral ligado a essa publicação, por favor informe.

Leave a comment »

Thai Massage – Por Asokananda (Tradução de Gislaine Meera)

https://i1.wp.com/waithai.it/files/Fotografie/fotografie_2008_thai-massage_lahu_village_file/image004.jpg

Este é o primeiro de uma série de textos que estarei enviando à vocês, trazendo mais luz e informação à Arte da Thai Massagem. Será no formato de perguntas e respostas feitas para Asokanada, meu mestre, por um de seus discípulos antigos chamado Prabhat. Como é possível que diferentes tradições de massagem ensinem técnicas ou sejam baseadas em teorias que parecem se contradizer?

Como a maioria das tradições (filosóficas, religiosas,etc…), a massagem é muito freqüentemente baseada numa transmissão tradicional onde certos aspectos são criados ou desenvolvidos num período de tempo no qual não existe sérias razões por trás. Alguém determina leis ou dogmas ou elas evoluem historicamente, ou ainda outras simplesmente não são questionadas. Muitas vezes existem diferentes maneiras de se fazer alguma coisa e todas estão corretas, a menos que alguém ignorante esteja ensinando de forma irresponsável.

Alguns exemplos: na Thai Massagem os canais de energia são trabalhados de cima para baixo e de baixo para cima, enquanto no Shiatsu elas são trabalhadas em direções específicas. Na Thai Massagem isto é feito para se alcançar máximo equilíbrio do fluxo energético em todas as linhas. De acordo com minha própria experiência a abordagem da Thai Massagem funciona muito bem, dando resultados brilhantes. No Shiatsu, a intenção é a mesma, mas segue a teoria da diferença de fluxo energético Yin-Yang nas linhas, em uma ou outra direção. Esta abordagem parece ter o mesmo efeito equilibrador no fluxo energético. Então, apesar de as duas tradições se contradizerem, ambos os sistemas influenciam o corpo energético e o corpo físico mais ou menos da mesma forma ou pelo menos de forma muito similar.

O mesmo é válido para as diferenças no trajeto das linhas de energia, não somente em tradições diferentes, mas também dentro do mesmo sistema de massagem. Os meridianos chineses diferem consideravelmente dos meridianos do Zen Shiatsu de Shizuto Masunaga. As linhas de prana indianas diferem das do Shiatsu, bem como das linhas Sem da Thai Massagem que eu estabeleci junto com Chow Kam Thye. Estas linhas também são diferentes das linhas ensinadas no curso de Thai Massagem do Old Medicine Hospital de Chiang Mai, que também diferem das linhas ensinadas por meu mestre Pichet.

A primeira vista, isto parece muito ridículo. Mas depois se percebe que o sistema de linhas de energia, nada mais são, do que conceitos para descrever o fluxo energético num corpo energético invisível. Da mesma forma que você pode desenhar mapas de uma cidade ou país ou do mundo de diferentes maneiras. Em um se pode salientar as estradas, no outro as montanhas ou rios ou qualquer outra característica; portanto, os mapas energéticos tendem a ter diferenças baseadas na ênfase que cada autor coloca em certas linhas.

Lembre-se de que de acordo com a transmissão do Yoga o corpo energético é composto de 72.000 linhas de energia. Muitas delas têm influência positiva direta no corpo físico e em seus órgãos e professores de tradições diferentes simplesmente decidem pelas linhas que pessoalmente consideram mais benéficas quando criam seus sistemas específicos para mapearem o fluxo energético.

Isto significa que não existe um jeito certo para explicar e desenhar as linhas e considerar todas as outras erradas, mas que a maioria delas são maneiras absolutamente válidas de explicar a experiência de um indivíduo em particular ou de toda uma tradição. Assim que você se tornar um mestre na tradição que você segue, você terá que usar o conhecimento transmitido de uma forma criativa, respeitando e honrando este conhecimento como um background e ponto de referência para o seu trabalho. Mas se você se agarra a um conhecimento fazendo dele um dogma, você nunca se tornará um grande praticante. Somente um contínuo questionamento da tradição e a comparação com sua experiência prática atual podem manter uma tradição viva. E isso joga toda a responsabilidade de volta para você. Um mestre não pode se esconder atrás de uma transmissão tradicional.

Mas mesmo para um iniciante inexperiente, não existe nada para se preocupar. Os ensinamentos de cada escola em particular tendem a ser consistentes e se você seguir as recomendações dadas, tudo deve dar certo. Misturar dois sistemas é que pode ser mais problemático. Eu recomendo que você use uma linha até ganhar um bom entendimento dela e ter bastante experiência. Bom senso e experiência são os melhores guias quando diferentes sistemas são misturados.

Extraído do livro Thai Traditional Massage for advanced Practitioners. Por Asokananda. Tradução por Gislaine Teixeira (Meera).

Leave a comment »

%d blogueiros gostam disto: