Archive for Acupuntura shiatsu e medicina chinesa

Reflexologia

 

Image result for reflexology treatment

REFLEXOLOGIA DE MICROSSISTEMAS:

Na medicina oriental é comum o emprego de estímulos em áreas ou estruturas especiais do corpo humano, visando o tratamento mediante ação reflexa em todo o organismo.

Em regiões como o pavilhão auricular, os pés e as mãos existem pontos e pequenas áreas que correspondem a órgãos, vísceras, estruturas anatômicas músculo-esqueléticas, sistema nervoso, endócrino, imunológico, etc.

Não resta dúvida de que a reflexologia é um recurso valiosíssimo no contexto da medicina oriental; sendo utilizada em caráter complementar ao shiatsu, o seu principal objetivo é potencializar a ação terapêutica do tratamento.

a) Microssistema plantar (dos pés):

Image result for reflexology

O microssistema plantar envolve, alem da região plantar, os artelhos e o dorso do pé. Todavia, é na área plantar que se encontram diversos pontos que podem ser manipulados com a finalidade terapêutica reflexa especifica.
É muito comum encontrarmos, no oriente, profissionais que aplicam pressões com os dedos ou instrumentos não perfurantes, para pressionar ou percutir a região plantar do paciente. Geralmente, o próprio paciente utiliza instrumentos, nos quais pisa para proporcionar os estímulos necessários para promover o efeito terapêutico desejado.

b) Microssistema palmar (das mãos):

Image result for body reflexology

O microssistema palmar é especial por ser a mão uma região mais sensível e por possuir músculos programados para realizar movimentos precisos e complexos, diferentemente dos pés, cujos músculos estão limitados à função de deslocar e suportar o peso do corpo.

c) Microssistema do pavilhão auricular (aurículoterapia):

https://i2.wp.com/reflexology-map.com/wp-content/uploads/2013/03/REFLEXOLOGY-ear.jpg

Esse microssistema é o mais complexo de todos, visto que a área anatômica é muito pequena, mas possui muitos pontos e áreas de estimulação.

A estimulação auricular com as mãos é limitada quando a comparamos a outros métodos de estímulos, como a acupuntura auricular. Mas, ainda assim, o estímulo digital é muito eficiente.

A polpa digital é consideravelmente maior que os pontos e áreas específicos a serem estimulados. Naturalmente, a intensidade da pressão digital é muito menor que a pressão realizada através de instrumentos pontiagudos, ou mesmo agulhas, acarretando diferentes níveis de resposta.

Este recurso é muito empregado no oriente, tanto como técnica complementar ao shiatsu sistêmico, quanto como método de auto aplicação de caráter popular, desde a antiguidade.

As aplicações durante um período prolongado agem sobre o Ying Ch’i (Ch’i Nutritivo) e provocam a devida circulação dos canais energéticos (meridianos); promovendo, ainda, a regulação dos Zang Fu (órgãos e vísceras). Assim, pode ser um recurso profilático, quando aplicado corretamente.

Escrito por Fabrício Nobre para o Portal Verde

Anúncios

Leave a comment »

Anma

Image result for anma

Anma: Arte Milenar de Massagem,

Mãe de todas as técnicas conhecidas no mundo

Por André Sangez

A origem do An Ma remonta à China, há 5000 anos, durante as dinastias Zhou e Qin, à época do Imperador Amarelo.

É a técnica mais antiga praticada na Ásia, tendo influenciado o desenvolvimento de várias outras, como a massagem sueca, o shiatsu e a tui-ná.

Da China, a técnica, antes denominada An Mo, migrou para a Coréia, há cerca de 2000 anos, onde começou a ser chamada de An Ma.

Há 1700 anos, chegou ao Japão, onde obteve grande desenvolvimento, sobretudo devido ao trabalho de terapeutas cegos, que tornaram a técnica mais relaxante e confortante.

O método adotado é utilizado há mais de 300 anos, pela família de Mochizuki Sensei.

Na técnica do An Ma, o corpo é submetido a estímulos através de manobras como o deslizamento, a rotação, o amassamento, a vibração e a rolagem com o objetivo de relaxar os tendões, que por sua vez relaxarão os músculos, que soltaram os ossos. Assim, recupera-se a simetria estrutural que reflete um corpo saudável e preparado para o stress do dia-a-dia.

***

Leave a comment »

Acupuntura Estética

Image result for cosmetic acupuncture

Acupuntura Estética

Agulhas também servem em tratamentos de beleza

Fonte: Caderno Saúde em forma – Jornal O Globo Data: 09.03.99

Além de tratar dos males do corpo, as agulhas de acupuntura também ajudam a atenuar o processo de envelhecimento. Menos conhecida, essa utilização da acupuntura é um eficaz tratamento para combater rugas e olheiras, segundo a acupunturista e fisioterapeuta Márcia Almeida de Andrade. – A avaliação do paciente é feita através dos pulsos para ver como estão os meridianos principais do corpo. Depois, trabalha-se a fisionomia para equilibrar a vitalidade do rosto. Por exemplo, a energia baixa dos rins dá olheiras, a energia alta do estômago dá rugas na boca – explica Márcia.

A acupunturista Ana Maria Ferreira também usa as agulhas com objetivos estéticos:

– Eu trabalhava com agulhas para paralisias faciais e os princípios usados com fins estéticos são os mesmos. O corpo entende a picada da agulha na face como uma agressão e logo envia ao local sangue e energia vital ( tchi, em chinês), o que tonifica a musculatura e revitaliza a pele, suavizando as rugas de expressão, que, com o tratamento, são eliminadas – diz Ana.

Ela explica que as agulhas atingem apenas a parte subcutânea do rosto com picadas leves e superficiais. Com o aumento da irrigação sangüínea, a pele recebe mais nutrientes e colágeno.

A acupuntura estética é feita em 10 sessões, uma ou duas vezes por semana. As especialistas garantem que em dois meses e meio a pele ganha viço e se revitaliza. Depois de quatro sessões, as pessoas notam que as rugas já estão mais suavizadas.

Acupuntura melhora a aparência
Fonte: Jornal Século 21 Data: 18.03.99 – Ephraim Medeiros

A acupuntura é uma terapia cada dia mais utilizada no Brasil, por apresentar eficiência comprovada e benefícios em diversos aspectos para a saúde do paciente. É normal que um paciente busque essa terapia por um motivo e acabe se beneficiando em alguns outros, pois o tratamento pela acupuntura é global e não visa somente acabar com os sintomas.

Harmonizar todas as funções do organismo, evitando que ocorram desequilíbrios energéticos, e que assim apareçam os sintomas e suas doenças é a filosofia primordial da Acupuntura Tradicional Chinesa. O corpo e a mente são analisados e tratados como um só pelo acupunturista e ele não busca somente equilibrar uma parte, pois sabe que isso não surtirá o efeito ideal.

Entre os muitos benefícios trazidos pela acupuntura, alguns se manifestam no campo da estética: auxílio no emagrecimento; auxílio no combate à celulite; atenuação de cicatrizes recentes; tratamento de rugas e marcas de expressão precoces; tratamento da acne; tratamento de eczemas; tratamento de ulcerações cutâneas persistentes e algumas indicações mais.

A acupuntura apresenta a vantagem de ser uma terapia que não impede o paciente de continuar um tratamento convencional e em muitos casos auxilia para que o medicamento seja melhor assimilado pelo organismo e não provoque efeitos colaterais intensos.

No campo da estética é recomendável que o paciente complemente o tratamento da acupuntura no seu cotidiano (e não somente durante o tratamento), com uma alimentação balanceada; que utilize cremes, xampus e loções preparados com óleos essenciais puros e de qualidade; fitoterapia; ingestão de água imantada e a prática de exercícios físicos moderados, mas que acionem todo o corpo (como a hidroginástica ). Todos esses métodos e alguns mais são utilizados em conjunto com o tratamento pela acupuntura e o sucesso se faz presente na grande maioria dos casos.

As sessões de acupuntura duram entre uma hora e uma hora e meia e geralmente têm um preço acolhedor, comparando com outros tratamentos, o que permite que o paciente também possa continuar o seu tratamento médico convencional e ainda procurar um os mais complementos acima citados.

Leave a comment »

Ohashiatsu: Touch for Peace

Image result for ohashi shiatsu

O Toque para a Paz (Ohashiatsu)

Ohashiatsu é um método de educação corporal desenvolvido nos anos 70 pelo mestre japonês Ohashi, baseando-se nos ensinamentos da medicina oriental.

É um método natural de cura, que combina técnicas de toque, alongamentos, exercícios suaves e meditação, usados para aliviar a tensão e a fadiga, e para induzir a um estado de harmonia e paz, tanto para aquele que recebe a aplicação quanto aquele que a aplica.

O praticante avalia a pessoa sentindo-lhe o Hara (localizado no abdome), e em seguida, usando movimentos naturais, contínuos e fluídos, trabalhando ao longo dos canais energéticos do corpo. É um método natural de cura, não só para aquele que recebe o tratamento mas para aquele que o aplica.

Esta terapia facilita a circulação da energia através do organismo, promovendo harmonia e equilíbrio, o que mantém saudável o corpo, a mente e o espírito.

O INSTITUTO OHASHI
O nome de Ohashi significa em japonês “grande ponte” e um de seus objetivos é criar uma ponte entre a filosofia oriental e a ocidental em sua arte de cura. Em 1974, o mestre fundou o Instituto Ohashi, que agora é uma organização educacional reconhecida em internacionalmente.

Hoje o Instituto Ohashi receber cerca de 2000 estudantes por ano e tem mais de 60 instrutores oficiais espalhados por 30 países, na América do Norte, Europa e América do Sul.

WATARU OHASHI
Ohashi nasceu em 1944 próximo à Hirochima, Japão. Quando criança, possuia uma fraca constituição física, o que o deixou vulnerável à doenças. Sua força e vitalidade foram reconstituídas e têm sido mantida desde então por técnicas de cura orientais, as quais são o centro do que ele ensina. Acreditando que ele deve a sua vida ao conceito da medicina oriental, dedicou-se a ensinar e praticar esta arte de cura para beneficiar o seu semelhante.

Leave a comment »

Seitai

Image result for seitai

Seitai

Entre os séculos XV e XVI, o Japão vivia momentos de política intensa. Existia o desejo de unificação de várias províncias num só governo. Muitos dos senhores feudais dessas províncias disputavam, porém, o poder a qualquer custo e, por isso, se utilizavam de métodos escusos.

Os samurais, guerreiros de elite, treinados na arte do domínio da espada e mestres em lutas corporais, também recebiam iniciações doutrinais. Em alguns casos, participavam dessas lutas. segundo o massoterapeuta Edvaldo de Oliveira da cruz, fio nessa época que surgiram as primeiras manifestações da técnica Seitai.

– Com seus movimentos (manobras de coluna e articulações) precisos e absolutos, o seitai ficou durante séculos restrito ao habitat das artes marciais e templos, o que fez com que essa técnica centenária, mesmo no Japão, não se tornasse tão popular – diz ele.

Ele lembra que, no entanto, durante a participação do Japão na 2ª Guerra Mundial, muitos oficiais foram treinados em Seitai para ingressarem nas equipes de enfermagem, para dar o atendimento em campo. Isto possibilitou uma popularização do Seitai.

– Com a vinda dos imigrantes japoneses para o Brasil, um dos referidos oficiais aqui chegou há aproximadamente 40 anos. Seu nome Mestre Ohnishi, que atendeu durante anos pessoas pessoas com problema de coluna, sempre alcançando excelentes resultados – conta.

Edvaldo acrescenta ainda que o Seitai se caracteriza por ser uma técnica centenária, com movimentos sutis e suaves, que geram a reacomodação vertebral, provocando assim um alívio de dor quase imediato.

FONTE: Jornal da EOMA (Escola Oriental de Massagem e Acupuntura)/Agosto de 1999

Leave a comment »

Ventosaterapia

Image result for ventosa
FONTE: Centro de Estudos do Corpo e Terapias Holísticas
http://www.cecth.hpg.ig.com.br/ttventosaterapia.html

Ventosaterapia

A Antiga Arte da Ventosa

No século passado, a operação de inspirar copos de ventosas no corpo consistia em colocar sobre a pele uma campânula de vidro ou outras formas de inspiradores semelhantes aos copos de ventosas, após fabricar vácuo pela queima do ar no seu interior, Devendo aplica-las de pronto sobre a pele para gerar sucção no local. Este método chamado de “ventosa seca” era aplicado na pele nua, causando trauma subcutâneo e agindo como contra-irritante. Outro método também comumente aplicado era chamado de “ventosa molhada”. Neste método, a pele era irritada por meio de um instrumento cortante, provocando uma leve sangria chamada de “escarificação”, imediatamente antes de a ventosa ser aplicada. Este método era considerado especial para se provocar sangria, sendo também reconhecido pelos antigos médicos como uma medida contra-irritante. As medidas contra-irritantes provocam o deslocamento da dor e o efeito conhecido na medicina oriental como “alívio da superfície do corpo”, muito útil no combate das dores por espasmo musculares enrijecimentos musculares, reflexos causadores de falsas dores, nos rins e pulmões. Não temos a idéia de quem fez uso da ventosa primeiro. Têm-se informações de seu uso desde o antigo Egito. Ela também é mencionada nos escritos de Hipócrates, e praticamente pelo povo Grego no século IV a.C.. Foi provavelmente conhecida e utilizada também por outras antigas nações. O antigo instrumento utilizado para fazer ventosa era a cabaça, conhecida naquela época como “Curubitula”, que em latim significa ventosa. Nas regiões primitivas do mundo, a ventosa tem registros históricos que datam de centenas a milhares de anos. Nas suas formas mais primitivas, era utilizada pelos índios americanos que cortavam a parte superior do chifre dos búfalos, cerca de duas e meia polegadas de comprimento, provocando o vácuo por sucção oral na ponta do chifre, sendo em seguida tamponado. Os antigos curandeiros Medicine men, com poderosos músculos faciais e agilidade, conseguiam extrair com a boca, por sucção e logo cuspindo, o veneno injetado na circulação sanguínea por picada de cobra, aliviando a dor e câimbras do abdômen.

Hipócrates também usava ambos os métodos de ventosa “seca” e “molhada” como principal tratamento nas desordens menstruais. Ele prescrevia grandes ventosas de vidro a serem aplicadas nos seios de mulheres que sofriam de menorragia. Assim como nas “descargas amareladas vaginais”, pelo uso de ventosas durante um longo período de tempo em diferentes partes das coxas, na virilha e abaixo dos seios. Hipócrates era cuidadoso na prevenção da anti-sepsia após a ventosa, e adverte com o seguinte conselho: “Quando em aplicação de ventosa molhada, se o sangue continuar a fluir após o instrumento inspirador tiver sido removido, se o fluxo de sangue ou soro for copioso, os copos de ventosa precisam ser aplicados novamente até que da área tratada tenha se retirado o abstrato”. De outra forma, o sangue vai coagular, retendo-se nas incisões, e úlceras inflamatórias podem se formar. Aconselha-se banhar estas partes em vinagre. O local não pode ficar umedecido. Nunca permitir que o paciente se deite sobre as escarificações, e estas devem ser tratadas com medicamentos para feridas inflamadas.” O uso de ventosas no Ocidente antigo era um elemento terapêutico corriqueiro e de grande valor panacéico. Pois na falta de outros elementos da ciência, a ventosaterapia era utilizada praticamente na cura de todas as doenças. Como um instrumento curativo mágico em sua essência, pelo contato íntimo com o interior do corpo através do sangue. Ela era respeitada também pela sua atuação no elemento energético gerado pela respiração. Teoria que se assemelhava aos conceitos da medicina Oriental. Celsus também descreve aplicações de ventosas no primeiro século d.C., citando que o edema subcutâneo produzido pela ventosa seca consiste parcialmente de “flatus” (gases) derivado da respiração. Celsus adverte que a aplicação de ventosas é benéfica tanto para doenças crônicas como para agudas, incluindo ataques de febre, e particularmente nos estressados. Quando há perigo de fazer sangria, o recurso mais seguro é aplicar nesses pacientes ventosas secas. Ele adverte sobre a ocorrência de edema nas ventosas, sejam secas ou molhadas. Descreve ventosa seca em vários lugares para tratar paralisia, ventosas nas têmporas e na região occipital em caso de dores de cabeça prolongadas.

O Uso das Sanguessugas
Na Europa, assim como na Ásia existiam vários métodos modificados de sangria e escarificação. Na Europa a “veneseção” ou sangria das veias era uma prática popular, enquanto na Ásia o sangramento das dilatações capilares (telangiectasias) na periferia da pele junto com ventosas era o método mais utilizado. Entretanto, a escarificação e o sangramento por meio de “sanguessugas” ou através de emplastros feitos de pastas abrasivas com batata, gengibre, etc., eram usados no Oriente. O emprego das sanguessugas teve sua origem na Grécia antiga. A sanguessuga (Hirudus medicinalis) é um verme aquático que foi usado durante séculos na medicina. A idéia corrente era que este verme extraía o sangue com “humores mórbidos” e, conseqüentemente, levava o paciente à cura. O nome deste verme é Hirudo (em latim) e há várias espécies na zoologia. Os “humores mórbidos” seriam as toxinas e ou elementos deteriorados que se acumulam nos vasos sanguíneos e nos músculos enrijecidos, causando doenças. O uso das sanguessugas como terapêutica foi comum na idade média no ocidente. Em Portugal na antiguidade, os “barbeiro-sangradores” eram geralmente, os técnicos encarregados de aplicar sanguessugas, por concessão de uma licença para praticar cedida pelo cirurgião-mor. Naquela época, em Lisboa, foram publicados vários livros sobre o assunto, e os salões de barbear eram o local de venda das sanguessugas. Poucos conseguiam entender, e por isso o seu uso se tornou abusivo. Em 1833, a França, além de consumir a sua produção de sanguessugas, teve que importar 40 milhões do império Russo, Turquia e Pérsia . O seu uso indiscriminado e irresponsável, ocasionando complicações graves, até a supressão da classe de barbeiros-cirurgiões, e com o desenvolvimento da química farmacêutica, teve o seu esquecimento total. Atualmente, estamos resgatando o uso das ventosas, e já podemos ouvir notícias de que na Europa já estão sendo usadas, novamente , as sanguessugas nos processos de reimplante de membros mutilados, como braços, pés, dedos, orelhas e até mesmo, o pênis.

Onde Aplicar as Ventosas
O uso de ventosa no Oriente foi desenvolvido com base na acupuntura. Ela se fundamenta na crença de que a resistência contra a doença pode ser alcançada, induzindo o corpo a se curar pela aplicação de ventosas em pontos dos 14 meridianos ou em nódulos de reação positiva. Esta função reguladora é descrita no antigo Cânon de Medicina Oriental, o Nei Jing: “A acupuntura tem a função de remover a obstrução dos meridianos, regulando o Ki e o sangue, tendo como resposta deste fato à harmonização da hipoatividade e da hiperatividae das funções do corpo”. A ventosa tem a propriedade de limpar o sangue das toxinas acumuladas causadas pela sujeira da água e dos alimentos. Pois a estagnação do sangue coagulado, escuro e sujo, nos músculos das costas ou nas articulações é considerado pelas terapias Orientais como um dos elementos causadores de doenças, sendo necessário retirá-lo para que o cliente possa se restabelecer. A ventosa é usada para o alívio de dores musculares, melhorar o sistema circulatório e até mesmo, para redução de celulite e gordura localizada. A aplicação de ventosas no corpo, além de facilitar as trocas gasosas e regular o pH sanguíneo e trazer um efeito reflexo quando aplicada em pontos de acupuntura, se usada para massagear usando um meio lubrificante (óleos aromáticos), produz o “efeito massagem”. Na estagnação da circulação sanguínea pode se formar um quadro álgico com acompanhamento de manifestações na pele e músculo, como dilatações capilares (telangiectasias), infiltrações subcutâneas, formação de cordões enrijecidos e nódulos, assim como alterações térmicas locais. Se utilizarmos nestas manifestações pressões isquêmicas ou pressoterapia Shiatsu, a musculatura reage aumentando a sua rigidez, piorando o quadro. Nestes casos, para descongestionar o bloqueio, devemos ativar a circulação sanguínea, aplicando massagem com ventosas.

Observações importantes:
O conhecimento básico da atuação da ventosaterapia deve ser considerado como um elemento que emprega apenas uma técnica particular como terapia, o uso da pressão negativa. A divulgação desta antiga arte tem a sua devida importância entre as diversas terapias difundidas, guardando o seu uso terapêutico no caso de aplicações de ventosas sem o uso de sangria , que podem ser prejudiciais, quando aplicadas sem conhecimento ou treinamento.

Leave a comment »

Shiatsu Express

Shiatsu Express

Solução para quem não tem tempo e precisa se tratar

Há vinte anos, o Shiatsu Express surgiu da necessidade dos tempos modernos, de se obter o máximo de benefícios com o mínimo de tempo para isso. Através da aplicação de pressões e movimentos derivados das práticas orientais como a Tui-Ná, a Quiroprática e principalmente, o Shiatsu, o “Express Terapeuta” atua nas energias do corpo, promovendo relaxamento e uma indescritível sensação de leveza, aliviando dores e deixando a mente fresca e preparada para as atividades do dia, ou para uma boa noite de sono.

Qual a função da cadeira?
A cadeira de Shiatsu foi criada de modo que a coluna fique posicionada de maneira alinhada, ao mesmo tempo em que esta fica exposta para o trabalho, que é feito com ênfase na coluna.

Porque a coluna sendo a base de um trabalho anti-stress?
Para a Medicina Tradicional Chinesa, há um canal de energia na coluna responsável pelos processos de ativação do corpo, e é dali que partem os estímulos para que o corpo produza adrenalina, corticoides e outras substâncias. Em excesso essa energia ou as substâncias fabricadas por seu estímulo criam a síndrome do homem moderno, conhecida por “stress”.

O Que é Feito, na Prática?
As técnicas manuais utilizadas sedam esse canal de energia, ao mesmo tempo que devolve o fluxo normal da circulação energética. Assim, a coluna relaxa, e os benefícios já descritos são evidenciados.

Leave a comment »

%d blogueiros gostam disto: