“Brasileiro sofre com problemas crônicos por uso de agrotóxicos”, afirma pesquisadora

Blog do Pedlowski

No programa Entre Vistas, da TVT, Larissa Bombardi ressaltou os perigos da aplicação intensiva de venenos nas lavouras

agrotóxicos“Mapeei os casos de malformação fetal em SP e é muito assustador. Consegue-se ver no mapa o uso intensivo de agrotóxicos”, diz pesquisadora / Herr stahlhoefer via Wikimedia Commons

Por Redação do jornal Brasil de Fato

Foi exibida nesta quinta-feira (7) na Rede TVT, mais uma edição do programa “Entre Vistas”. Com apresentação de Juca Kfouri. A entrevistada da noite foi Larissa Bombardi. Ela é doutora em geografia pela USP e especialista em agrotóxicos. João Paulo Rodrigues, da Coordenação do MST, e Yamila Goldfarb, da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, fizeram comentários.

Bombardi é autora do Atlas “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia”, que detalha a extensão do uso e os problemas causados pelos produtos que…

Ver o post original 601 mais palavras

Anúncios

Dra. Heloísa Lessa agraciada com o prêmio 2019 HRIC CHAMPIONS!

Dra. Heloísa Lessa, fundadora do IMO e nossa primeira presidente, foi indicada para concorrer ao prêmio 2019 HRIC CHAMPIONS da Ong internacional Human Rights in Childbirth (HRiC). Ontem, no Dia Internacional da Mulher, a HRiC anunciou que elas estava entre as campeãs!

Estamos felizes. Além de ecoar premissas defendidas pelo IMO e pelo próprio Michel Odent, Dra. Heloísa tem sido por décadas uma importante voz na defesa ao nascimento saudável, consciente, ecológico e de escolha da mulher!

Segue versão em português do anúncio resumido, feito no Facebook do HIRC (O anúncio principal encontra-se em: http://humanrightsinchildbirth.org/index.php/2019/03/08/announcing-the-2019-hric-champions-award-winners/):

HOJE, #8M, temos a satisfação de anunciar as Campeãs HRiC 2019!

Este é um reconhecimento pelas contribuições extraordinárias dos nossas Campeãs, para a realização dos direitos humanos durante o parto. As Campeãs serão embaixadores de HRiC por um ano.
Os Campeões HRiC 2019 são:

Midwife: Heloísa Lessa (Brasil)
Médica: Gloria Esegbona (Reino Unido)
Ativista:

Ver o post original 89 mais palavras

HOJE: Aromaterapia na Oncologia em conversa com especialistas pelo Youtube

Aromaterapia e Oncologia – Vamos conversar?

Quinta, dia 28 de janeiro de 2019, as 20:30.

Via Internet (Youtube ao Vivo – Canal Câncer sem Mitos)

Cristina Paixão e o terapeuta Arnaldo V. Carvalho conversam sobre aromaterapia e óleos essenciais durante o tratamento do câncer e também prevenção. Que benefícios você pode obter com eles? Pode ser usado durante a quimioterapia? Há algum impedimento? Há efeitos colaterais?

O terapeuta Arnaldo V. Carvalho, conta com vinte anos de experiência clínica utilizando óleos essenciais e o sentido olfativo em terapia.

Mais sobre o profissional:

https://arnaldovcarvalho.wordpress.com/eu-terapeuta/
http://www.aromatologia.com.br/

Cristina Paixão é psicóloga, com especialização em psico-oncologia. Fundadora do site Câncer sem Mitos (http://www.cancersemitos.com.br) e do canal no YouTube (Cancer sem Mitos).

Link para o encontro virtual:
http://youtu.be/WBranFPSoss

http://youtu.be/WBranFPSoss

Cientistas brasileiros sugerem redefinição dos limites da Amazônia

Blog do Pedlowski

Floresta de TransiçãoZona de transição cerrado e floresta.
Pesquisadores de três universidades brasileiras realizaram um extenso trabalho de mapeamento por satélite e chegaram à conclusão de que a Amazônia é maior e mais ao sul do que indicam os limites oficiais. O líder dos estudos, professor Ben Hur Marimon Junior, da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), revela que a fronteira entre a Amazônia e o Cerrado não está adequadamente posicionada e também não é uma simples linha divisória, conforme consta no mapeamento oficial. O pesquisador destaca que a transição entre a Amazônia e o Cerrado deve ser considerada como uma extensa faixa, com larguras que chegam até 250 km. “É preciso reposicionar a Amazônia e o Cerrado nos mapas oficiais para melhor adequar os dois maiores biomas brasileiros às leis e politicas públicas de proteção à biodiversidade”, conclui o professor.
Segundo Eduardo Queiroz Marques, primeiro autor dos estudos, existem falhas…

Ver o post original 292 mais palavras

A terapia da Mulher

Gineterapia: A terapia da Mulher

Gineterapia é a soma de dos vocábulos gregos, gyne: mulher e therapheia: cuidar, tratar de. É uma “Arte de Cuidar da Mulher e de Cuidar da Vida da forma em que a Mulher cuida”. É um sistema de práticas e saberes com abordagem Transdisciplinar Holística, uma experiência transformadora, uma arte de viver a vida e de cuidar do ser, focalizada no conhecimento da natureza e necessidades da mulher. É um veículo para prestar assistência ao corpo, a psique e ao espírito, usando chaves arquetipicamente femininas.

A Gineterapia faz parte do amplo mundo das terapias holísticas e são usadas técnicas da terapia natural como Reiki, psicoterapia floral, fito e aromaterapia, cristais, banhos, arte terapia, astrologia, interpretação de oráculos, sonhos, massagens; e outros caminhos arquetípicos femininos.

No Rio de Janeiro, Roda de Conversa da Gineterapia estão acontecendo em alguns pontos do Rio de Janeiro, como Botafogo, Niterói, Itanhangá, entre outros. Elas oferecer uma maneira de se saber mais e vivenciar um pouco da Gineterapia.

Também no Rio, É possível fazer de formação na Casa da Consciência, no Itanhangá (coordenação de Luciana Portella). Trata-se da Formação em Extensão Transdisciplinar Holística, reconhecida pelo MEC e criada por Mônica Giraldez! A formação é uma grande jornada terapêutica para o cuidar da Mulher.  A duração é de 6 meses, sendo dividida em 13 módulos (1 final de semana por mês). A próxima turma inicia em março. Maiores informações e inscrições : WhatsApp 21 981840888 – Luciana Portella, Focalizadora RJ

WhatsApp Image 2019-02-28 at 09.35.20.jpeg

Pesquisa realizada na UERJ comprova que resíduos da Samarco afetaram Abrolhos

Blog do Pedlowski

abrolhos

Abrolhos possui a maior formação de recifes de coral do Atlântico Sul. (Reprodução)
Por Diretoria de Comunicação da UERJ

Um estudo conduzido pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) comprovou que os corais do Parque Nacional dos Abrolhos, na Bahia, sofreram impactos significativos decorrentes da contaminação por rejeitos da Samarco. Após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG) em 2015, os resíduos do beneficiamento de minério se espalharam rapidamente pelo Rio Doce e, em seguida, começam a atingir a região costeira.

Coral-Abrolhos-848x535Amostra de coral analisada mostrou presença de metais pesados.

De acordo o ICMBIO,  o parque abriga mais de 1/3 de toda a biodiversidade marinha global conhecida, Abrolhos é considerado o recife mais importante do Atlântico Sul. Os corais são animais cnidários que vivem em colônias e segregam exoesqueletos calcários. Em um relatório de quase 50 páginas, os pesquisadores apresentaram análises detalhadas sobre a presença de…

Ver o post original 330 mais palavras