A polêmica da sacolinha de supermercado PARTE II

Nosso colaborador ARY BON dá sequencia a pesada e importante crítica sobre a campanha contra as sacolas plásticas. Visite a primeira e construtiva matéria aqui no Portal Verde!

ENTÃO VOCÊ ACHA QUE ECONOMIZAR O SAQUINHO DE SUPERMERCADO É RELEVANTE? 

Com contas simples se percebe que há muito mais por trás disso…

ARY BON

Os arrazoados da internet (na verdade, expressões de justa indignação) como o abaixo, me encantam.

O tema das sacolinhas plásticas, então, já faz tempo que venho falando dos pseudo-ecologistas.
Esta vai no original com os erros de concordância:

Os supermercados dizem gastar R$ 200.000.000 (Duzentos Milhões) de Reais distribuindo “De Graça” 7.000.000.000 (7 Bilhões ) de Sacolinhas de plástico todo ano aos consumidores e que cada Sacolinha tinha um custo em torno de R$ 0,04 (4 Centavos) de Real.
Acontece que primeiro isso é uma grande mentira.

Os 200 milhões já estavam Embutidos nos custos do supermercado e eram pagos pelos clientes. Assim como é a luz, a limpeza e até o sorriso dos caixas. Tudo pago por você consumidor.
Os Grandes supermercados (Extra, Pão de Açúcar, Carrefour), numa compaixão inédita a favor do meio ambiente se uniram para exterminar o uso de sacolinhas de plástico que eram dadas aos clientes, tudo isso pensando apenas no meio ambiente.

Outra grande mentira.

Uma simples conta de matemática prova essa mentira. Ao invés de”œder” as sacolinhas (venda disfarçada dentro dos outros produtos) os supermercados agora irão Vender (diretamente) aos consumidores sacolinhas biodegradáveis (Mais uma mentira que falaremos depois) ao custo de R$ 0,19 (Dezenove centavos) de Real cada. 5 vezes o valor da antiga Sacolinha.
E ai que entra a mágica. 7 Bilhões de Sacolinhas ao custo de 19 centavos cada vão gerar aos supermercados um ganho anual de R$ 1.330.000.000 (UM BILHÃO E TREZENTOS E TRINTA MILHÕES ) DE REAIS POR ANO.
Mesmo que apenas METADE das pessoas que vão a supermercado comprem sacolinhas ainda serão R$ 665.000.000 (SEICENTOS E SESSENTA E CINCO MILHÕES) DE REAIS POR ANO. – 3 vezes mais do que ELES JÁ GANHAM ATUALMENTE.

Mas e as Sacolinhas Biodegradáveis?
Bem as sacolinhas são biodegradáveis apenas se elas forem corretamente condicionadas em usinas de compostagem.
Acontece que essas usinas NÃO EXISTEM, NÃO FORAM CONSTRUIDAS e talvez lá por 2014 a primeira comece a funcionar… E OLHE LÁ.

Outra GRANDE MENTIRA que os supermercados usaram para Banir as sacolinhas de plástico foi a desculpa sem vergonha que durante as chuvas, essas sacolas entupiam as bocas de lobo e provocavam enchentes. Por que?
Porque as pessoas usavam as sacolinhas para jogar lixo fora (Uê isso não era conhecido como reciclagem?)

Mas agora elas terão que comprar Sacos de lixo para esse fim, Não é?!
SÓ QUE ISSO É MELHOR AINDA PARA OS SUPERMERCADOS.
Como? Outra simples conta de matemática.
Cada pessoa que reciclava as sacolinhas de plástico usa em media três por dia para condicionar o lixo (uma no banheiro, uma na cozinha e mais uma na pia da cozinha para resto de comida).
Pois bem. Isso dá em media 90 sacolinhas por mês, usadas para jogar lixo fora (3×30=90). Os supermercados vendem o pacote com 100 sacos de lixo em media por R$ 12 (Doze) Reais.
Então durante um ano uma pessoa vai gastar 1080 sacos de lixo (12×90) e vai precisar comprar 11 pacotes de saco de lixo (11*100 = 1100) gastando R$ 132 (Cento e Trinta e dois) Reais.
Preço razoável, certo!?
ERRADO!!!

Lembra dos 7 Bilhões de Sacolinhas que os Supermercados “davam” todo ano. Se eu divido esses 7 Bilhões por 100 eles serão equivalentes a 70.000.000 (SETENTA MILHÕES ) de Pacotes de sacos de lixo com 100 unidades cada.
70 Milhões de pacotes vezes os R$ 132 por ano que cada pessoa vai precisar pagar para jogar o lixo fora vão gerar Um lucro aos Supermercados (que vão vender esses sacos de lixo) R$ 9.240.000.000 (NOVE BILHÕES E DUZENTOS E QUARENTA MILHOES) de Reais.


Ou seja, dane-se a sacolinha ecológica, eles querem mesmo é que você compre saco de lixo pois vão ganhar 7 vezes mais.
Indignado?

NÃO ADIANTA, TOME UMA ATITUDE QUE REALMENTE FARÁ A DIFERENÇA! veja o que podes fazer concretamente na nossa primeira matéria

Então você acha que economizar o saquinho do supermercado é relevante? Dá para fazer muito mais pelo meio ambiente!

Por Ary Bon

Meu irmão trabalha na Prefeitura da Cidade de São Paulo.
O departamento dele cuida do controle do transporte tercerizado do lixo.

Todo o lixo da cidade vai para dois tipos de destinação: orgânicos vão para o aterro sanitário e inertes vão separados para uso como entulho.
A prefeitura de São Paulo regulamenta que o lixo doméstico seja acondicionado em sacos plásticos, para viabilidade do manuseio, coletya, manutenção das viaturas, logística geral. (… e é bom que seja assim…)

O material que vai para aterro é fragmentado por máqiuinas e enterrado em camadas, onde há tubulações para coleta do gas e aproveitamento como combustível.
O composto orgânico não é aproveitado por causa de cobtaminação com metais pesados.
Tem um departamento de engenharia ao encargo deste gerenciamento, por causa dos volumes envolvidos.

O volume total diário de lixo orgânico da Cidade de São Paulo é de 150.000.000 kilos (cento e cincoenta mil toneladas POR DIA).
Existe uma logística de coleta com caminhóes menores, compactadores, recoleta em carretas de 40 toneladas, e envio para os aterros sanitários, fragmentação e espalhamento com tratores, cobertura com camadas de terra, etc.

Minha observação é que o saquinho de polietileno do supermercado (bem como os sacos maiores necessários para a coleta), embora não se decomponham fácilmente, representam muito pouco no volume total de lixo orgânico da cidade. Todo este movimento para reduzir sacos nas compras do supermercado é poétkico pfracaramba, mas representa na prática, absolutamente NADA. Você quer realmente contribuir com a Mãe Natureza?

Vamos para a proposta.

Meu avós maternos tinham quintal. E nãso tinham coleta de lixo. E o lixo orgânico ia todinho para um poço raso do quintal, sempre coberto com uma camada fina de folhas, terra, etc. Eles não jogavam lixo fora. Virava adubo, e do bom.

Hoje muitos de nós não temos quintal, quando muito um jardinzinho. mas quem tiver uns 3 m2 de terra (1,5 x 2,5 m) onde bata o sol, pode contribuir comuma versdadeira  revolução verde. Os engenheiros agronomos Célio Luis Franco e Antonio Barbosa Pereira, da Associação de proteção ao Meio Ambiente de Moghi-Guaçu inventaram um biodecompositor para lixo orgânico sólido, simples de construir, usar e manter,

O projeto foi publicado na Revista do Crea, e tem baixo custo de aquisição e manutenção.
Consta de um par de tambores de aço de 200 litros cada, que podem ser comprados em ferro-velhos especializados.
Os tambores devem ser furados para encaixar um balde plástico (sem fundo) com tampa hermética de um lado e uma tela de nylon no fundo.
A tampa roscada do tambor será usada para um respiro feito com cano de PVC e um copo (pode ser plástico)

O tambor deve ser enterrado uns 15 cm no chão, que pode ser de grama ao redor. A tela vai no fundo aberto do tambor.

Dentro pode ser jogado restos de comida e verduras, cascas de frutas, ovos e legumes, pó de café com filtro de papel, ossos de frando e peixe, fezes de cão, gato e aves, cinzas e restos de cigarros, enfim, tudo menos líquidos. Para uma decomposição mais rápida, o ideal é que os restos sejam triturados e espalhados pelo fundo do tambor. Evidentemente nada tóxico pode ser jogado no biodecompositor (como pilhas, produtos químicos, remédios velhos etc.) O acesso é pelo balde cuja tampa serve para selar o tambor.

A cada 7 dias deve ser colocada uma camada de uns 2 cm de serragem pura ou misturada com terra. usando folhas em vez da serragem pode ser necessário aumentar a camada. O volume dos resíduos vai se reduzindo contínuamente à medida da decomposição.

è importante que o tambor receba sol, isto vai cozinhar o conteudo, o que acelera a decomposição. Os gases que se formam serão liberados vagarosamente pelo respiro coberto, e levado pelo vento o que evitará cheiro e atração de insetos.

Durante a decomposição podem surgir larvas de insetos, que ajudam no processo de decomposição mas não completarão o ciclo vital e serão incorporadas no composto orgânico. Também haverá formação de ácidos (chorume) que será absorvido pela terra do fundo do tambor.

Uma família de 6 pessoas deve conseguir encher um tambor em cerca de 8 meses, após o que o segundo tambor deve começar a ser utilizado. A biodecomposição completa do primeiro tambor ocorrerá em mais 2 meses. Após este período, pode começar a remoção do composto aos poucos pela parte superior, com intervado de 4 a 7 dias, à medida que vai perdendo o cheiro. Quando o braço não alcançar mais, deve-se tombar o tambor para remover o restante pelo fiundo. A lama orgânica da parte inferior deve ser incorporada ao total retirado. Quando o composto apresentar cheiro de terra molhada ou cheiro de floresta poderá ser usado como excelente adubo.

Existem variáveis como a velocidade de decomposição, que depende do tipo de resíduo, da quantidade de sol, da fragmentação prévia, do volume diário.
O projeto também funciona com recipientes menores de plástico (existem bombonas de 70 litros), mas a eficiência é maior usando tambores de aço.

Espero ter inspirado vocês.
ARY